SONETO XXVII [MALES QUE CONTRA MIM VOS CON JURASTES]

XXVII

Males, que contra mim vos conjurastes,
Quanto há de durar tão duro intento?
Se dura, porque dure meu tormento,
Baste- vos quanto já me atormentastes.

Mas se assim porfiais porque cuidastes
Derrubar meu tão alto pensamento,
Mais pode a causa dele, em que o sustento,
Que vós, que dela mesma o ser tomastes.

E, pois vossa tensão, com minha morte,
Há de acabar o mal destes amores,
Dai já fim a um tormento tão comprido.

Assim de ambos contentes seja a sorte;
Em vós, por acabar-me, vencedores,
Em mim porque acabei de vós vencido.

© LUIZ VAZ DE CAMÕES
In Obras de Luíz de Camões (Vol. II), 1861
Pelo Visconde de Juromenha

NOTA:
1. ortografia atualizada

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil