INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A ALEGRIA
A ESPERA
A PLANTA
A POESIA
A VIDA BATE
ANO-NOVO
APRENDIZADO
ARTE POÉTICA
BANANAS PODRES
BARULHO
CANÇÃO DO BICHO
CANTADA
CANTIGA PARA NÃO MORRER
COITO
CONTIGO
DENTRO DA NOITE VELOZ
DIGO SIM
DOIS E DOIS: QUATRO
DOIS POETAS NA PRAIA
ESCRITO
EVOCAÇÃO DE SILÊNCIOS
EXTRAVIO
FALAR
FILHOS
FORA DA LUZ
FOTOGRAFIA DE MALLARMÉ
GALO GALO
HOMEM COMUM
HOMEM SENTADO
INSETO
JARRO NA MESA
MADRUGADA
MANHÃ
MAU DESPERTAR
MEU PAI
MEU POVO, MEU POEMA
MEU VENENO
MORRER NO RIO DE JANEIRO
MORTE DE CLARICE LISPECTOR
NÃO HÁ VAGAS
NÃO-COISA
NARCISO E NARCISO
NO CORPO
NO MUNDO HÁ MUITAS ARMADILHAS
NOVA CANÇÃO DO EXÍLIO
O AÇÚCAR
O BOI
O INFERNO
O QUE SE FOI
O REI QUE MORA NO MAR
OCORRÊNCIA
OFF PRICE
OLHAR
ONDE ANDARÁS
OS MORTOS
OSWALD MORTO
OUVINDO APENAS
P.M.S.L.
PELA RUA
PERGUNTA E RESPOSTA
PERPLEXIDADES
POEMA
POEMA BRASILEIRO
POEMA OBSCENO
POEMA SUJO
POEMA SUJO - [EXCERTO 1] BELA BELA
POEMA SUJO - [EXCERTO 2] BELA BELA
POEMA SUJO - [EXCERTO 3] AH MINHA CIDADE VERDE
POEMA SUJO - [EXCERTO 4] TRENZINHO DO CAIPIRA
POEMA SUJO - [EXCERTO 5] TRENZINHO DO CAIPIRA
POEMA SUJO [EXCERTO 6] SÃO COISAS VIVAS AS PALAVRAS
POSTER
PRAIA DO CAJU
PRIMEIROS ANOS
REFLEXÃO SOBRE O OSSO DA MINHA PERNA
SESSENTA ANOS DO PCB
SETE POEMAS PORTUGUESES - 3
SETE POEMAS PORTUGUESES - 4
SETE POEMAS PORTUGUESES - 5
SETE POEMAS PORTUGUESES - 6
SETE POEMAS PORTUGUESES - 7
SETE POEMAS PORTUGUESES - 8
SETE POEMAS PORTUGUESES - 9
SOLUÇÃO DE VIDA (MOLEJO DIALÉTICO)
SUBVERSIVA
TANGA
TOADA À TOA
TRADUZIR-SE
UM HOMEM RI
UM INSTANTE
UM POUCO ANTES
UM SORRISO
UMA FOTOGRAFIA AÉREA
UMA PEDRA É UMA PEDRA
UMA VOZ
VERÃO
VERSOS DE ENTRETER-SE
 
:: POESIAS INFANTOJUVENIS ::
 
A FALA DO GATO
COMPANHEIRO FIEL
DONO DO PEDAÇO
GATO PENSA?
NA CARA
O GATO CURIOSO
O RON-RON DO GATINHO
FINAL
OSWALD MORTO

Enterraram ontem em São Paulo
um anjo antropófago
de asas de folha de bananeira
(mais um nome que se mistura à nossa vegetação tropical)
As escolas e as usinas paulistas
não se detiveram
para olhar o corpo do poeta que anunciara a civilização do ócio
Quanto mais pressa mais vagar

O lenço em que pela última vez
assoou o nariz
era uma bandeira nacional

NOTA:
Fez sol o dia inteiro em Ipanema
Oswald de Andrade ajudou o crepúsculo
hoje domingo 24 de outubro de 1954

© FERREIRA GULLAR
In O vil metal, 1960

Número de visualizações em 2017: 535
Número de curtidas: 48
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil