INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | NOTÍCIAS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A BALADA DA LÁGRIMA
A BALADA DA SAUDADE
A BALADA DAS FOLHAS
A CANÇÃO DA SAUDADE
A CIGARRA E A FORMIGA
A FAZENDA SANTA CRUZ
A FONTE
A OVELHA TESMALHADA
A TOADA DA CHUVA
ABANDONO
ANDORINHA
ÂNGELUS
AO CALOR DA LAREIRA
ARCO-ÍRIS
AS DUAS SOMBRAS
BOÊMIA TRISTE
CAI, CAI, BALÃO
CANÇÃO TRISTE
CANTIGAS DE ENCURTAR CAMINHO
CANTO DE MINHA TERRA
CAPIBARIBE
CASTELOS NA AREIA
CIGARRA
DE PAPO PRO Á
DEZEMBRO
DIA DAS MÃES
DO SONHO E DO SOFRIMENTO
EVANGELHO DA SOMBRA E DO SILÊNCIO
FULANINHA
INTIMIDADE
KREMME
NATAL
NO JARDIM DA PRAÇA SERZEDELO
NOITE DE BAILADO
NOITES DE DEZEMBRO
NOTURNO
O ELOGIO DA NOITE
O ENAMORADO DA VIDA
O FLIRT
O MENINO DOENTE
O PINTINHO CEGO
O POÇO DA PANELA
PIROLITO
PRESSENTIMENTO
QUE HAVERÁ PARA ALÉM DAS MONTANHAS?
SÃO JOÃO
TÍPICO DA VIDA
VERSOS AO MEU CÃO
VERSOS FELIZES
 
:: SONETOS ::
 
A ALEGRIA DE VIVER!
A ÁRVORE BOA
A CIGARRA MORTA
A CIGARRA QUE FICOU
A FLOR DA NOITE
A MÃE-D' ÁGUA
A ÚLTIMA CIGARRA
A VELHA MANGUEIRA
ÁGUA CORRENTE
ALMAS IRMÃS
ARREPENDIMENTO
AS ALMAS DAS CIGARRAS
AS DUAS ÁRVORES
AS VOZES DA NATUREZA
ASPIRAÇÃO
ASSOMBRAÇÃO
CAVALEIRO DA TRISTE FIGURA
CEGUINHO
CONSELHO AMIGO
CORAÇÃO EM RUÍNA
DESALENTO
DESLUMBRAMENTO
DESTINO
DO MEU TEMPO...
ESQUECIMENTO
LÍNGUA PORTUGUESA
MEIO-DIA
MENSAGEM
NOITE SONORA
O ANACORETA
O CONSELHO DAS ÁRVORES
O ENAMORADO DAS ROSAS
O ENTERRO DA CIGARRA
O MEU RETRATO
O SOL QUE CANTA
PAGANISMO
PÁSSARO DO BRASIL
RECOMPENSA
RENÚNCIA
RESIGNAÇÃO
SAUDADE
TRONCO DESERTO
ÚLTIMO RAIO DE SOL
VELHA AMIZADE
 
:: HOMENAGENS ::
 
HOMENAGEM AO POETA ALBERTO DE OLIVEIRA
 
:: TRADUÇÕES ::
 
JOYCE KILMER - ÁRVORES
AS DUAS SOMBRAS

Na encruzilhada silenciosa do Destino,
Quando as estrelas se multiplicaram,
Duas sombras errantes se encontraram.

A primeira falou: — “Nasci de um beijo
De luz; sou força, vida, alma, esplendor.
Trago em mim toda a sede do Desejo,
Toda a ânsia do Universo... Eu sou o amor.

O mundo sinto exânime a meus pés...
Sou delírio... Loucura... E tu, quem és?”

— “Eu nasci de uma lágrima. Sou flama
Do teu incêndio que devora...
Vivo, dos olhos tristes de quem ama,
Para os olhos nevoentos de quem chora.
Dizem que ao mundo vim para ser boa,
Para dar do meu sangue a quem me queira.
Sou a Saudade, a tua companheira
Que punge, que consola e que perdoa...”

Na encruzilhada silenciosa do Destino,
As duas sombras comovidas se abraçaram
E de então, nunca mais se separaram.

© OLEGÁRIO MARIANO
In Água Corrente, 1918


CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil