INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE A POETA
 
 
:: POESIAS ::
 
25 DE ABRIL
A ANÉMONA DOS DIAS
A BELA E PURA
A CASA
A CASA TÉRREA
A ESCRITA
A ESTÁTUA
A ESTRELA
A FLAUTA
A FONTE [1]
A FONTE [2]
A HORA DA PARTIDA
A LIBERDADE
A LUZ OBLÍQUA
A NOITE E A CASA
A PAZ SEM VENCEDOR E SEM VENCIDOS
A PURA FACE
ABRIL
ACORDO
ALI, ENTÃO
AQUELAS
AQUELE QUE PARTIU
AS CASAS
AS MINHAS MÃOS
AS PESSOAS SENSÍVEIS
AS ROSAS
AUSÊNCIA
BARCO
BARCOS [2]
BEBIDO O LUAR
BIOGRAFIA
BRASÍLIA
BREVE ENCONTRO
BRISA
CADERNO II
CAIS
CAMINHO
CAMPO
CANTAR
CARTA A RUBEN A.
CARTA AOS AMIGOS MORTOS
CARTA(S) A JORGE DE SENA
CASA
CATARINA EUFÉMIA
CÉU, TERRA, ETERNIDADE
CHAMEI POR MIM
CHAMO-TE
CIDADE DOS OUTROS
CÍRCULO
COM FÚRIA E RAIVA
COMO O RUMOR
COMO UMA FLOR VERMELHA
CORPO A CORPO
CREPÚSCULO DOS DEUSES
DANÇA DE JUNHO
DATA
DE PEDRA E CAL
DE UM AMOR MORTO
DEPOIS
DESCOBRIMENTO [2]
DESPEDIDA
DEVAGAR NO JARDIM
DIA DE HOJE
DIA DO MAR NO AR
DIA [1]
DIA [2]
DIA [3]
DIONYSOS
DUAL
É ESTA A HORA...
É POR TI
E SÓ ENTÃO
EIS QUE
EIS-ME
ESCRITA DO POEMA
ESCUTO
ESPERA [1]
ESPERA [2]
ESPERA-ME
ESTA GENTE
ESTE É O TEMPO
EU CHAMEI-TE PARA SER
EU CONTAREI
EU ME PERDI
EURYDICE
EVADIR-ME, ESQUECER-ME
EXÍLIO [2]
FELICIDADE
FLORESTA
FUNDO DO MAR
FÚRIAS
GOYESCA
GRUTA DE CAMÕES
HÁ CIDADES ACESAS
HÁ JARDINS
HÁ MUITO
HOMENS À BEIRA-MAR
HORIZONTE VAZIO
ILHA DO PRÍNCIPE
INICIAL
INSCRIÇÃO
INTERVALO
INTERVALO II
INVENTEI
IV [DESDE A ORLA DO MAR]
JANELA
JARDIM PERDIDO
JARDIM VERDE
LIBERDADE [1]
LIBERDADE [2]
LUA
LUAR
LUMINOSOS OS DIAS
LUSITÂNIA
MADRUGADA
MANDEI PARA O LARGO
MANHÃ
MÃOS
MAR
MAR SONORO
MARINHEIRO SEM MAR
MEDEIA
MEIO DA VIDA
MEIO-DIA
MORTA
MUSA [1]
MUSA [2]
NA CIDADE DA REALIDADE ENCONTRADA E AMADA
NÃO TE OFENDEREI COM POEMAS
NAQUELAS NOITES
NAVIO NAUFRAGADO
NESTA HORA
NESTE DIA DE MAR E NEVOEIRO
NO ALTO MAR
NO MAR PASSA
NO POEMA [1]
NO PONTO
NO QUARTO
NO TEMPO DIVIDIDO
NOCTURNO DA GRAÇA
NOITE DE ABRIL
NOITE [1]
NOITE [2]
NOS ÚLTIMOS TERRAÇOS
NUMA DISCIPLINA
NUNCA MAIS [1]
NUNCA MAIS [2]
O ANJO
O DIA
O HOSPITAL E A PRAIA
O JARDIM
O JARDIM E A CASA
O MAR DOS MEUS OLHOS
Ó NOITE
O PAÍS SEM MAL
O PALÁCIO
O POEMA
Ó POESIA — QUANTO TE PEDI
O POETA TRÁGICO
O PRIMEIRO HOMEM
O TEU ROSTO [1]
O TEU ROSTO [2]
O VAZIO DESENHAVA DESDE SEMPRE
O VIDENTE
OÁSIS
OS DIAS DE VERÃO
OS ESPELHOS
OS NOSSOS DEDOS
OUVE [1]
PAISAGEM
PARA ATRAVESSAR CONTIGO O DESERTO DO MUNDO
PARÁFRASE
PASSAGEM
PASSAM OS CARROS
PÁTRIA
PIRATA
POEMA DE AMOR DE ANTÓNIO E DE CLEÓPATRA
POEMA [1]
POEMA [2]
POEMA [3]
POEMA [4]
SEI QUE ESTOU SÓ
SENHORA DA ROCHA
SINAL DE TI
SINTO OS MORTOS
SONETO DE EURYDICE
TERROR DE TE AMAR
TU DORMES
UM POETA CLÁSSICO
[SERENAMENTE SEM TOCAR NOS ECOS]
 
:: SONETOS ::
 
CORPO
ESTRANHA NOITE
II [ESSE QUE HUMANO FOI COMO UM DEUS GREGO
SONETO À MANEIRA DE CAMÕES
 
:: HOMENAGENS ::
 
FERNANDO PESSOA
FERNANDO PESSOA OU O POETA EM LISBOA
MANUEL BANDEIRA
PARA O ERNESTO VEIGA DE OLIVEIRA
MAR SONORO

Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim.
A tua beleza aumenta quando estamos sós
E tão fundo intimamente a tua voz
Segue o mais secreto bailar do meu sonho.
Que momentos há em que eu suponho
Seres um milagre criado só para mim.

© SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN
In Dia do mar, 1947

Número de visualizações em 2017: 2073
Número de curtidas: 138
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil