INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A BAUNILHA
A CONCHA E A VIRGEM
A ESCRAVA
A HARMONIA
A HISTÓRIA
A INFÂNCIA
A LEVIANA
A MÃE D ÁGUA
A MANGUEIRA
A MENDIGA
A MINHA MUSA
A MINHA ROSA
A PASTORA
A QUEDA DE SATANAZ
A TARDE
A TEMPESTADE
A UM MENINO
A UM POETA EXILADO
A UNS ANOS
A VILA MALDITA, CIDADE DE DEUS
A VIRGEM
ADEUS
AGORA E SEMPRE
AMANHÃ
AMOR! DELÍRIO - ENGANO
ANÁLIA – POEMETO
ANELO
AS DUAS AMIGAS
AS DUAS COROAS
AS FLORES
CANÇÃO
CANÇÃO DE BUG-JARGAL
CANÇÃO DO EXÍLIO
CANÇÃO DO TAMOIO
CANTO INAUGURAL
CAXIAS [1]
COMO EU TE AMO
CONSOLAÇÃO NAS LÁGRIMAS
CUMPRIMENTO DE UM VOTO
DELÍRIO
DEPRECAÇÃO
DESALENTO
DESEJO
DESESPERANÇA
EPICÉDIO
FADÁRIO
FLOR DE BELEZA
HAGAR NO DESERTO
HARPEJOS
HINOS [A NOITE]
HINOS [A LUA]
HINOS [A TEMPESTADE]
I – JUCA-PIRAMA
IDÉIA DE DEUS
INOCÊNCIA
LEITO DE FOLHAS VERDES
LIRA
LIRA QUEBRADA
MARABÁ
MENINA E MOÇA
MEU ANJO, ESCUTA
MIMOSA E BELA
MINHA VIDA E MEUS AMORES
MISERRIMUS
NUVEM DOIRADA
O AMOR
O ANJO DA HARMONIA.
O ASSASSINO
O BAILE
O CANTO DO GUERREIRO
O CANTO DO ÍNDIO
O CANTO DO PIAGA
O CIUME
O COMETA
O DESENGANO
O DESTERRO DE UM POBRE VELHO
O GIGANTE DE PEDRA
O MAR
O MEU SEPULCRO
O OIRO
O ORGULHOSO
O PIRATA
O QUE MAIS DOI NA VIDA
O ROMPER D ALVA
O SOLDADO ESPANHOL
O TEMPLO
O TROVADOR
O VATE
OLHOS VERDES
OS BEIJOS
OS SUSPIROS
PALINÓDIA
PEDIDO
POR UM AI
PROTESTO
QUANDO NAS HORAS
QUE ME PEDES
QUEIXUMES
RECORDAÇÃO
RECORDAÇÃO E DESEJO
RETRATAÇÃO
ROSA NO MAR!
SAUDADES
SE QUERES QUE EU SONHE
SEI AMAR
SEMPRE ELA
SEUS OLHOS
SOFRIMENTO
SOLIDÃO
SONHO
SONHO DE VIRGEM
TABIRA [DEDICATÓRIA]
TABIRA [POESIA AMERICANA]
TE DEUM
TRISTE DO TROVADOR
TRISTEZA
URGE O TEMPO
VELHICE E MOCIDADE
VISÕES
 
:: HOMENAGENS ::
 
À MORTE PREMATURA DA IL.MA SRA. D.
AO ANIVERSÁRIO DE UM CASAMENTO
AO DR. JOÃO DUARTE LISBOA SERRA
CAXIAS
NENIA
SOBRE O TÚMULO DE UM MENINO
 
:: OUTROS TEXTOS ::
 
DEDICATÓRIA [ÚLTIMOS CANTOS]
PRÓLOGO DE OBRAS PÓSTUMAS - VOL. I
PRÓLOGO [PRIMEIROS CANTOS]
OLHOS VERDES

Eles verdes são:
E tem por usança,
A cor esperança,
E nas obras não.
CAM. RIM. 1


São uns olhos verdes, verdes,
Uns olhos de verde-mar,
Quando o tempo vai bonança;
Uns olhos cor de esperança,
Uns olhos por que morri;
Que ai de mim!
Nem já sei qual fiquei sendo
Depois que os vi!

Como duas esmeraldas,
Iguais na forma e na cor,
Tem luz mais branda e mais forte,
Diz uma — vida, outra — morte;
Uma — loucura, outra — amor.
Mas ai de mim!
Nem já sei qual fiquei sendo
Depois que os vi!

São verdes da cor do prado,
Exprimem qualquer paixão,
Tão fácilmente se inflamam,
Tão meigamente derramam
Fogo e luz do coração;
Mas ai de mim!
Nem já sei qual fiquei sendo
Depois que os vi!

São uns olhos verdes, verdes,
Que podem também brilhar;
Não são de um verde embaçado,
Mas verdes da cor do prado,
Mas verdes da cor do mar.
Mas ai de mim
Nem já sei qual fiquei sendo
Depois que os vi!

Como se lê num espelho
Pude ler nos olhos seus!
Os olhos mostram a alma,
Que as ondas postas em calma
Também refletem os céus;
Mas ai de mim!
Nem já sei qual fiquei sendo
Depois que os vi!

Dizei vós, oh meus amigos,
Se vos perguntam por mim,
Que eu vivo só da lembrança
De uns olhos cor de esperança,
De uns olhos verdes que vi!
Que ai de mim!
Nem já sei qual fiquei sendo
Depois que os vi!

Dizei vós; Triste do bardo!
Deixou-se de amor finar!
Viu uns olhos verdes, verdes,
Uns olhos da cor do mar:
Eram verdes sem esperança,
Davam amor sem amar!
Dizei-o vós, meus amigos,
Que ai de mim!
Não pertenço mais a vida
Depois que os vi!

© GONÇALVES DIAS
In Últimos Cantos, 1851
Poesias Diversas


NOTA:
1) Camões. Rimas

Número de visualizações em 2017: 2523
Número de curtidas: 45
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (3)

Avatar do visitante

Sereníssima · 15/01/2013, às 19h24

O verso do poema OLHOS VERDES, de Gonçalves Dias, é: "Camões, Rimas." [CAM. RIM.] Aliás, "Camões, Rimas" é o último verso da primeira estrofe do poema (que é bastante longo, mas é preciso lê-lo para compreendê-lo) : Olhos Verdes Eles verdes são: E têm por usança Na cor esperança E nas obras não. Camões, Rimas. (...) E você vai perguntar: Por que Camões? Esse poema do Gonçalves Dias dialoga com o poema “Menina dos olhos verdes” de Camões Menina dos olhos verdes - Luís Vaz de Camões Mote Alheio Menina dos olhos verdes, porque me não vedes? Voltas Eles verdes são, e têm por usança na cor, esperança e nas obras, não. Vossa condição não é d'olhos verdes, porque me não vedes. (...) Observar que Camões tomou um mote alheio e construiu seu poema. "Menina dos Olhos Verdes". Igualmente, Gonçalves Dias toma uma estrofe camoniana e construiu seu poema "Olhos Verdes". Interessante pensar que com os olhos vemos e enxergamos, entretanto a menina não vê nem enxerga o poeta, mesmo esta tendo as condições de ver e enxergar: tem olhos verdes – não precisa necessariamente sê-los – capazes para fazê-lo. Afirma-se isso porque esse é o tema central do poema: a incógnita de a menina poder ver o poema, e não vê-lo. Na 1ª estrofe, o poeta faz a metáfora da esperança aos olhos verdes da menina, porém “nas obras não” (como o poeta explicita) ou seja, os olhos da menina são verdes, o que é fato, mas são verdes também assim como a esperança o é, todavia não a corresponde; a menina não corresponde o poeta porque não o vê, pois ela não o vendo, a única esperança que o poeta alcançaria vendo os olhos verdes, e esperançosos, da menina estará extinta, porquanto sem vê-lo e sem vê-la parecem que não se crêem, apesar de que para ele a menina “ Veja que excelente estudo sobre o poema de Camões, existe na internet (do qual adaptei os meus dois últimos parágrafos). O autor é Bruno Fagundes Valine: http://recantodasletras.com.br/teori… Mariana Estevam Link para esse texto: http://goo.gl/KiRbt

Avatar do visitante

ROBERT FRANKLIN CARNEIRO · 19/04/2016, às 18h37

Nos versos que se repetem no fim de cada estrofe, onde está escrito: "Que ai de mim!", no original lemos: "Que ai de mi" - que é uma forma mais antiga desse pronome,
Avatar do visitante

MICHAEL KORS coupon · 05/04/2017, às 04h53

Hey Paul, thank you. I thought about Hsing i, but never got around to it because I read in a few places that it is similar to Karate, and I was already doing Karate. But, maybe I should rethink, or find someone who knows Hsing i and wants to matrix it. Again, thanks, and have a great work out! Al

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil