INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A SAUDADE
A BAUNILHA
A CONCHA E A VIRGEM
A ESCRAVA
A FLOR DO AMOR
A HISTÓRIA
A INFÂNCIA
A LEVIANA
A MÃE D ÁGUA
A MANGUEIRA
A MENDIGA
A MINHA MUSA
A MINHA ROSA
A MORTE É VÁRIA
A PASTORA
A QUEDA DE SATANAZ
A SUA VOZ
A TARDE
A UM MENINO
A UM POETA EXILADO
A UMA POETISA
A UNS ANOS
A VILA MALDITA, CIDADE DE DEUS
A VIRGEM
ADEUS
AGORA E SEMPRE
AINDA UMA VEZ – ADEUS! –
AMANHÃ
AMOR! DELÍRIO - ENGANO
ANÁLIA – POEMETO
ANELO
ANGELINA
AS DUAS AMIGAS
AS DUAS COROAS
AS FLORES
CANÇÃO
CANÇÃO DE BUG-JARGAL
CANÇÃO DO EXÍLIO
CANÇÃO DO TAMOIO
CANTO INAUGURAL
CAXIAS [1]
COMO EU TE AMO
CONSOLAÇÃO NAS LÁGRIMAS
CUMPRIMENTO DE UM VOTO
DELÍRIO
DEPRECAÇÃO
DESALENTO
DESEJO
DESESPERANÇA
DIES IRAE
EPICÉDIO
ESPERA
FADÁRIO
FLOR DE BELEZA
HAGAR NO DESERTO
HARPEJOS
SEGUNDOS CANTOS - HINOS: A LUA
SEGUNDOS CANTOS - HINOS: A NOITE
SEGUNDOS CANTOS - HINOS: A TEMPESTADE
ÚLTIMOS CANTOS - HINOS: I. O MEU SEPULCRO
ÚLTIMOS CANTOS - HINOS: II. A HARMONIA
ÚLTIMOS CANTOS - HINOS: III. A TEMPESTADE
I – JUCA-PIRAMA
IDÉIA DE DEUS
INOCÊNCIA
LEITO DE FOLHAS VERDES
LIRA
LIRA QUEBRADA
MARABÁ
MENINA E MOÇA
MEU ANJO, ESCUTA
MIMOSA E BELA
MINHA VIDA E MEUS AMORES
MISERRIMUS
NÃO ME DEIXES
NUVEM DOIRADA
O AMOR
O ANJO DA HARMONIA.
O ASSASSINO
O BAILE
O CANTO DO GUERREIRO
O CANTO DO ÍNDIO
O CANTO DO PIAGA
O CIUME
O COMETA
O DESENGANO
O DESTERRO DE UM POBRE VELHO
O GIGANTE DE PEDRA
O HOMEM FORTE
O MAR
O OIRO
O ORGULHOSO
O PIRATA
O QUE MAIS DOI NA VIDA
O ROMPER D ALVA
O SOLDADO ESPANHOL
O TEMPLO
O TROVADOR
O VATE
OLHOS VERDES
OS BEIJOS
OS SUSPIROS
PALINÓDIA
PEDIDO
POR UM AI
PROTESTO
QUANDO NAS HORAS
QUE ME PEDES
QUEIXUMES
RECORDAÇÃO
RECORDAÇÃO E DESEJO
RETRATAÇÃO
ROLA
ROSA NO MAR!
SAUDADES
SE EU FOSSE QUERIDO!
SE QUERES QUE EU SONHE
SE SE MORRE DE AMOR
SEI AMAR
SEMPRE ELA
SEUS OLHOS
SOFRIMENTO
SOLIDÃO
SONHO
SONHO DE VIRGEM
SONO
TABIRA [DEDICATÓRIA]
TABIRA [POESIA AMERICANA]
TE DEUM
TRISTE DO TROVADOR
TRISTEZA
URGE O TEMPO
VELHICE E MOCIDADE
VISÕES
ZULMIRA
 
:: HOMENAGENS ::
 
À MORTE PREMATURA DA IL.MA SRA. D.
AO ANIVERSÁRIO DE UM CASAMENTO
AO DR. JOÃO DUARTE LISBOA SERRA
CAXIAS
NENIA
SOBRE O TÚMULO DE UM MENINO
 
:: OUTROS TEXTOS ::
 
DEDICATÓRIA [ÚLTIMOS CANTOS]
PRÓLOGO DE OBRAS PÓSTUMAS - VOL. I
PRÓLOGO [PRIMEIROS CANTOS]
A INFÂNCIA

Belo raio do sol da existência,
Meninice fagueira e gentil,
Doce riso de pura inocência
Sempre adorne teu rosto infantil.

Sempre tenhas, anjinho inocente,
Quem se apresse em teus passos guiar,
E uma voz que o teu sono acalente,
E um sorriso no teu acordar.

Enlevada nos sonhos jocundos
Voz etérea te venha falar,
E visão d′outros céus, d′outros mundos,
Venha amiga tua alma encantar.

Leda infância gentil! e quem não te ama?
Quem tão de pedra o coração não sente
Aos teus encantos meigos mais tranquilo?
Quem não sente memórias d′outras eras
Travarem-lhe da mente ao recordar-se
Aquele gozo puro e suavíssimo
De vida, que jamais não tem logrado?
Recordações de um mundo adormecido
Lá lhe estão dentro d′alma esvoaçando,
Como arpejos de música longínqua!
E a mente nos seus quadros embebida,
Por mágica ilusão enfeitiçada,
Como outrora, talvez somente veja
Na terra — um chão de flores estrelado,
E nos céus — outro chão de flores vivas!

II

Afagada e bem vinda e querida
Travessuras cismando infantis,
Nos caminhos floridos da vida
Vai mimosa, imprudente e feliz!

É sua vida um contínuo festejo,
Sonhos d′oiro só sabe sonhar,
Toda ela um afã, um desejo
D′outros jogos contente brincar.

Puro riso o semblante lhe adorna,
Logo pranto começa a verter,
E depois outro riso lhe torna,
E depois outro pranto a correr.

Tão perto jaz a fonte da amargura,
Da fonte do prazer! — porém tão doces

Essas lágrimas são! — tão abundantes,
Tão sem causa e simpáticas gotejam
Numa tez de carmim, num rosto belo!
Quem as vê, que sorrindo as não enxuga?
Mas não todo consumas o tesouro
Único e triste, que ao infeliz sobeja
Nas horas do sofrer; no tempo amargo,
No qual o rosto pálido se enruga,
E os olhos secos, áridos chamejam,
Será talvez bem grato refrigério
Uma lágrima só, em que arrancada
A força da aflição dos seios d′alma.
Mas tu, feliz, sorri, enquanto a vida,
Como um rio entre flores, se desliza
Macio, puro, recendendo aromas.

III

Belo raio do sol da existência,
Flor da vida, mimosa e gentil,
Fonte pura de meiga inocência,
Leve gozo da quadra infantil!

Quem fruir-te outra vez não deseja,
Quando vê sobre a veiga formosa
A menina travessa e ruidosa,
Borboleta que alegre doudeja?

A menina é uma flor de poesia,
Um composto de rosa e jasmim,
Um sorriso que Deus alumia,
Um amor de gentil serafim!

Folga e ri no começo da existência,
Borboleta gentil! a flor dos vales,
Da noite à viração abrindo o calix,
O puro orvalho da manhã te guarda;
Inda perfumes dá, que te embriagam,
Inda o sol quando aquece os vivos raios,
Nas asas multicores cintilando,
Com terno amor de pai, em torno esparge
Pó sutil de rubis e de safiras.
Folga e ri no começo da existência,
Humano serafim, que esse perfume
São das asas do anjo, que se impregnam
Dos aromas do céu, quando atear-se,
Roaz fogo de vida começando,
Quanto havemos de Deus consome e apaga.

IV

Porém tu, afagada e querida,
Com requebros donosos, gentis,
Vai contente caminho da vida,
Belo anjinho, mimoso e feliz!

E do bardo a canção magoada,
Quando a possas um dia escutar,
Há de ser como rota grinalda,
Que perfumes deixou de exalar!

E esta mão talvez seja sem vida,
E este peito talvez sem calor,
E memória apagada e sumida,
Talvez seja a do triste cantor!

© GONÇALVES DIAS
In Últimos Cantos, 1851
Poesias Diversas

Número de visualizações em 2017: 2644
Número de curtidas: 197
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (1)

Hi admin, do you monetize your website ? There is easy method to earn extra money every month, just search on youtube - How to earn $25/hour selling articles

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil