INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
 
:: SONETOS ::
 
SONETO C [NO MUNDO POUCOS ANOS E CANSADOS]
SONETO CC [PORQUE A TAMANHAS PENAS SE OFERECE]
SONETO CCC [OLHOS FORMOSOS, EM QUEM QUIS NATURA]
SONETO CCCI [QUEM PRESUMIR SENHORA DE LOUVAR-VOS]
SONETO CCCII [LOS QUE BIVIS SUBJECTOS A LA ESTRELLA]
SONETO CCCIII [TODAS AS ALMAS TRISTES SE MOSTRAVAM]
SONETO CCCIV [SENHORA MINHA SE DE PURA INVEJA]
SONETO CCCIX [EM UM BATEL QUE COM DOCE MENEIO]
SONETO CCCL [TU QUE DESCANSO BUSCAS COM CUIDADO]
SONETO CCCLI [Ó GLORIOSA CRUZ Ó VITORIOSO]
SONETO CCCLII [MIL VEZES SE MOVE MEU PENSAMENTO]
SONETO CCCV [CONTAS QUE TRAZ AMOR COM MEUS CUIDADOS]
SONETO CCCVI [FORMOSA MÃO QUE O CORAÇÃO ME APERTA]
SONETO CCCVII [DE TANTAS PERFEIÇÕES A NATUREZA]
SONETO CCCVIII [DE AMORES DE UMA INCLITA DONZELA]
SONETO CCCX [QUE FIZ AMOR QUE TÃO MAL ME TRATAS]
SONETO CCCXI [SE AO QUE TE QUERO DESSES TANTA FÉ]
SONETO CCCXII [O TEMPO ESTÁ VINGADO À CUSTA MINHA]
SONETO CCCXIII [QUEM BUSCA NO AMOR CONTENTAMENTO]
SONETO CCCXIV [SE A NINGUÉM TRATAIS COM DESAMOR]
SONETO CCCXIX [SAUDADES ME ATORMENTAM CRUELMENTE]
SONETO CCCXL [TRANSUNTO SOU SENHORA NESTE ENGANO]
SONETO CCCXLI [ONDAS QUE POR EL MUNDO CAMINANDO]
SONETO CCCXLII [SOBRE UM OLMO QUE AL CIELO PARECIA]
SONETO CCCXLIII [CANÇADA Y RONCA BOZ POR QUE BOLANDO]
SONETO CCCXLIV [A TI SENHOR A QUEM AS SACRAS MUSAS]
SONETO CCCXLIV [O CAPITÃO ROMANO ESCLARECIDO]
SONETO CCCXLV [À ROMANA POPULAÇA PERGUNTAVA]
SONETO CCCXLVI [COM O GENEROSO ROSTRO ALANCEADO]
SONETO CCCXLVII [QUANDO DO RARO ESFORÇO QUE MOSTRAVAS]
SONETO CCCXLVIII [QUÃO CEDO TE ROUBOU A MORTE DURA]
SONETO CCCXV [GOSTOS FALSOS DE AMOR GOSTOS FINGIDOS]
SONETO CCCXVI [COM O TEMPO O PRADO SECO REVERDECE]
SONETO CCCXVII [AQUELES CLAROS OLHOS QUE CHORANDO]
SONETO CCCXVIII [AUSENTE DESSA VISTA PURA E BELA]
SONETO CCCXX [O DIA HORA OU O ÚLTIMO MOMENTO]
SONETO CCCXXI [SE PARA MIM TIVERA QUE ALGUM DIA]
SONETO CCCXXII [Ó FORTUNA CRUEL Ó DURA SORTE]
SONETO CCCXXIII [PERDER-ME ASSIM EM VOSSO ESQUECIMENTO]
SONETO CCCXXIV [SE ALGUMA HORA EM VÓS A PIEDADE]
SONETO CCCXXIX [VENTANA VENTUROSA DO AMAÑECE]
SONETO CCCXXV [JÁ TEMPO FOI QUE MEUS OLHOS FAZIAM]
SONETO CCCXXVI [QUÃO BEM-AVENTURADO ME ACHARA]
SONETO CCCXXVII [SI EL TRISTE CORAZON QUE SIEMPRE LLORA]
SONETO CCCXXVIII [DO ESTÁN LOS CLAROS OJOS QUE COLGADA]
SONETO CCCXXX [DE PIEDRA DE METAL DE COSA DURA]
SONETO CCCXXXI [AL PIE DE UNA VERDE Y ALTA ENZINA]
SONETO CCCXXXII [AMOR AMOR QUE FIERES AL COITADO]
SONETO CCCXXXIII [FORMOSO TEJO MEU QUÃO DIFERENTE]
SONETO CCCXXXIV [MEMÓRIAS OFENDIDAS QUE UM SÓ DIA]
SONETO CCCXXXIX [O DIA EM QUE EU NASCI MOURA E PEREÇA]
SONETO CCCXXXV [LEMBRANÇAS TRISTES PARA QUE GASTAIS TEMPO]
SONETO CCCXXXVI [QUANDO DESCANSAREIS OLHOS CANSADOS]
SONETO CCCXXXVII [MEMÓRIA DE MEU BEM CORTADO EM FLORES]
SONETO CCCXXXVIII [DO CORPO ESTAVA JÁ QUASE FORÇADA]
SONETO CCI [DEPOIS DE HAVER CHORADO OS MEUS TORMENTOS]
SONETO CCII [ONDE MERECI EU TAL PENSAMENTO]
SONETO CCIII [DE FRESCAS BELVEDERES RODEADAS]
SONETO CCIV [NOS BRAÇOS DE UM SILVANO ADORMECENDO]
SONETO CCIX [AMOR QUE EM SONHOS VÃOS DO PENSAMENTO]
SONETO CCL [NAS CIDADES NOS BOSQUES NAS FLORESTAS]
SONETO CCLI [VI QUEIXOSOS DE AMOR MIL NAMORADOS]
SONETO CCLII [SE LÁGRIMAS CHORADAS DE VERDADE]
SONETO CCLIII [JÁ ME FUNDEI EM VÃOS CONTENTAMENTOS]
SONETO CCLIV [EM UMA LAPA TODA TENEBROSA]
SONETO CCLIX [FORMOSOS OLHOS QUE CUIDADO DAIS]
SONETO CCLV [SE EM MIM, Ó ALMA, VIVE MAIS LEMBRANÇA]
SONETO CCLVI [ILUSTRE GRACIA NOMBRE DE UNA MOZA]
SONETO CCLVII [QUAL TEM A BORBOLETA POR COSTUME]
SONETO CCLVIII [LEMBRANÇAS DE MEU BEM DOCES LEMBRANÇAS]
SONETO CCLX [PUES SIEMPRE SIN CESAR, MIS OJOS TRISTES]
SONETO CCLXI [TÊM FEITO OS OLHOS NESTE APARTAMENTO]
SONETO CCLXII [A PEREGRINAÇÃO DE UM PENSAMENTO]
SONETO CCLXIII [ACHO-ME DA FORTUNA SALTEADO]
SONETO CCLXIV [SE NO QUE TENHO DITO VOS OFENDO]
SONETO CCLXIX [ESTE AMOR QUE VOS TENHO LIMPO E PURO]
SONETO CCLXV [DOCE CONTENTAMENTO JÁ PASSADO]
SONETO CCLXVI [SEMPRE, CRUEL SENHORA, RECEEI]
SONETO CCLXVII [FORTUNA EM MIM GUARDANDO SEU DIREITO]
SONETO CCLXVIII [SE A FORTUNA INQUIETA E MAL OLHADA]
SONETO CCLXX [SE GRANDE GLÓRIA ME VEM SÓ DE OLHAR-TE]
SONETO CCLXXI [A FORMOSURA DESTA FRESCA SERRA]
SONETO CCLXXII [SOSPECHAS QUE EN MI TRISTE FANTASIA]
SONETO CCLXXIII [SUSTENTA MEU VIVER UA ESPERANÇA]
SONETO CCLXXIV [JÁ NÃO SINTO, SENHORA, OS DESENGANOU]
SONETO CCLXXIX [INDO O TRISTE PASTOR TODO EMBEBIDO]
SONETO CCLXXV [QUE PODE JÁ FAZER MINHA VENTURA]
SONETO CCLXXVI [QUANDO CUIDO NO TEMPO QUE, CONTENTE]
SONETO CCLXXVII [QUANDO, SENHORA, QUIS AMOR QUE AMASSE]
SONETO CCLXXVIII [EU VIVIA DE LÁGRIMAS ISENTO]
SONETO CCLXXX [DE UM TÃO FELICE ENGENHO, PRODUZIDO]
SONETO CCLXXXI [DIZEI SENHORA DA BELEZA IDEIA]
SONETO CCLXXXII [NA RIBEIRA DO EUFRATES ASSENTADO]
SONETO CCLXXXIII [EL VASO RELUCIENTE Y CRISTALINO]
SONETO CCLXXXIV [CHORAI, NINFAS, OS FADOS PODEROSOS]
SONETO CCLXXXIX [DIANA PRATEADA ESCLARECIA]
SONETO CCLXXXV [SENHORA JÁ DESTA ALMA, PERDOAI]
SONETO CCLXXXVI [QUEM VOS LEVOU DE MIM, SAUDOSO ESTADO]
SONETO CCLXXXVII [DIVERSOS CASOS VÁRIOS PENSAMENTOS]
SONETO CCLXXXVIII [DOCE SONHO SUAVE E SOBERANO]
SONETO CCV [QUEM DIZ QUE AMOR É FALSO OU ENGANOSO]
SONETO CCVI [FORMOSA BEATRIZ TENDES TAIS JEITOS]
SONETO CCVII [ALEGRES CAMPOS, VERDES DELEITOSOS]
SONETO CCVIII [ONDADOS FIOS DE OURO ONDE ENLAÇADO]
SONETO CCX [NEM O TREMENDO ESTRÉPITO DA GUERRA]
SONETO CCXC [A LÁ EN MONTE REY, EN BAL DE LAÇA]
SONETO CCXCI [PORQUE ME FAZ AMOR INDA ACÁ TORTO]
SONETO CCXCII [ENQUANTO FEBO OS MONTES ACENDIA]
SONETO CCXCIII [SE DE VOSSO FORMOSO E LINDO GESTO]
SONETO CCXCIV [NUM TÃO ALTO LUGAR, DE TANTO PREÇO]
SONETO CCXCIX [PUES LÁGRIMAS TRATÁIS, MIS OJOS TRISTES]
SONETO CCXCV [QUANTAS PENAS AMOR QUANTOS CUIDADOS]
SONETO CCXCVI [O TEMPO ACABA, O ANO, O MÊS E A HORA]
SONETO CCXCVII [POSTO ME TEM FORTUNA EM TAL ESTADO]
SONETO CCXCVIII [JÁ NÃO FERE O AMOR COM ARCO FORTE]
SONETO CCXI [FIOU-SE O CORAÇÃO, DE MUITO ISENTO]
SONETO CCXII [QUEM QUISER VER D’AMOR UMA EXCELÊNCIA]
SONETO CCXIII [LOS OJOS QUE CON BLANDO MOVIMIENTO]
SONETO CCXIV [NO BASTAVA QUE AMOR PURO Y ARDIENTE]
SONETO CCXIX [SE EL FUEGO, QUE ME ENCIENDE, CONSUMIDO]
SONETO CCXL [APONTA A BELA AURORA LUZ PRIMEIRA]
SONETO CCXLI [POR QUE A TERRA NO CÉU AGASALHASSE]
SONETO CCXLII [QUE ESTILA A ÁRVORE SACRA? UM LICOR SANTO]
SONETO CCXLIII [Ó ARMA UNICAMENTE SÓ TRIUNFANTE]
SONETO CCXLIV [AOS HOMENS UM SÓ HOMEM PÔS ESPANTO]
SONETO CCXLIX [DEIXA APOLO O CORRER TÃO APRESSADO]
SONETO CCXLV [VÓS SÓ PODEIS SAGRADO EVANGELISTA]
SONETO CCXLVI [COMO LOUVAREI EU SERAFIM SANTO]
SONETO CCXLVII [DITOSAS ALMAS, QUE AMBAS JUNTAMENTE]
SONETO CCXLVIII [CONTENTE VIVI JÁ, VENDO-ME ISENTO]
SONETO CCXV [AYUDAME SEÑORA A HACER VENGANZA]
SONETO CCXVI [Ó CLARAS ÁGUAS DESTE BLANDO RIO]
SONETO CCXVII [MIL VECES ENTRE SUEÑOS TU FIGURA]
SONETO CCXVIII [MI GUSTO Y TU BELDAD SE DESPOSARON]
SONETO CCXX [QUE ME QUEREIS, PERPÉTUAS SAUDADES]
SONETO CCXXI [Ó RIGOROSA AUSÊNCIA DESEJADA]
SONETO CCXXII [AY QUIEN DARÁ A MIS OJOS UNA FUENTE]
SONETO CCXXIII [CON RAZON OS VAYS AGUAS FATIGANDO]
SONETO CCXXIV [O CESSE YA SEÑOR TU DURA MANO]
SONETO CCXXIX [ALMA GENTIL, QUE À FIRME ETERNIDADE]
SONETO CCXXV [DULCES ENGAÑOS DE MIS OJOS TRISTES]
SONETO CCXXVI [CUANTO TIEMPO HA QUE LLORO UN DIA TRISTE]
SONETO CCXXVII [LEVANTAI MINHAS TÁGIDES A FRENTE]
SONETO CCXXVIII [VÓS NINFAS DA GANGÉTICA ESPESSURA]
SONETO CCXXX [DEBAIXO DESTA PEDRA SEPULTADA]
SONETO CCXXXI [IMAGENS VÃS ME IMPRIME A FANTASIA]
SONETO CCXXXII [QUANTA INCERTA ESPERANÇA, QUANTO ENGANO]
SONETO CCXXXIII [MAL QUE DE TEMPO EM TEMPO VÁS CRESCENDO]
SONETO CCXXXIV [OH QUANTO MELHOR É O SUPREMO DIA]
SONETO CCXXXIX [EM BABILÓNIA SOBRE OS RIOS QUANDO]
SONETO CCXXXV [COMO PODES Ó CEGO PECADOR]
SONETO CCXXXVI [VERDADE, AMOR, RAZÃO, MERECIMENTO]
SONETO CCXXXVII [DE BABEL SOBRE OS RIOS NOS SENTAMOS]
SONETO CCXXXVIII [SOBRE OS RIOS DO REINO ESCURO QUANDO]
SONETO CI [VÓS QUE ESCUTAIS EM RIMAS DERRAMADO]
SONETO CII [DE AMOR ESCREVO, DE AMOR TRATO E VIVO]
SONETO CIII [SE DA CÉLEBRE LAURA A FORMOSURA]
SONETO CIV [ESSES CABELOS LOUROS E ESCOLHIDOS]
SONETO CIX [NOVOS CASOS DE AMOR NOVOS ENGANOS]
SONETO CL [COITADO QUE EM UM TEMPO CHORO E RIO]
SONETO CLI [JULGA-ME A GENTE TODA POR PERDIDO]
SONETO CLII [OLHOS AONDE O CÉU COM LUZ MAIS PURA]
SONETO CLIII [CRIOU A NATUREZA DAMAS BELAS]
SONETO CLIV [QUE ESPERAIS ESPERANÇA? DESESPERO]
SONETO CLIX [VENCIDO ESTÁ DE AMOR MEU PENSAMENTO]
SONETO CLV [SE COMO EM TUDO O MAIS FOSTES PERFEITA]
SONETO CLVI [SE ALGUMA HORA ESSA VISTA MAIS SUAVE]
SONETO CLVII [TANTO SE FORAM NINFA COSTUMANDO]
SONETO CLVIII [EU ME APARTO DE VÓS NINFAS DO TEJO]
SONETO CLX [DIVINA COMPANHIA QUE NOS PRADOS]
SONETO CLXI [Á LA MARGEN DEL TAJO EN CLARO DIA]
SONETO CLXII [CANTANDO ESTAVA UM DIA BEM SEGURO]
SONETO CLXII [POR GLORIA TUVE UN TIEMPO EL SER PERDIDO]
SONETO CLXIII [REBUELVO EN LA INCESSABLE FANTASIA]
SONETO CLXIV [LAS PEÑAS RETUMBAVAN AL GEMIDO]
SONETO CLXIX [CAMPO NAS SIRTES DESTE MAR DA VIDA]
SONETO CLXV [EN UNA SELVA AL DESPUNTAR DEL DIA]
SONETO CLXVI [ORFEU ENAMORADO QUE TAÑÍA]
SONETO CLXVII [EU CANTEI JÁ E AGORA VOU CHORANDO]
SONETO CLXVIII [AI AMIGA CRUEL! QUE APARTAMENTO]
SONETO CLXX [AH MINHA DINAMENE! ASSIM DEIXASTE]
SONETO CLXXI [GUARDANDO EM MIM A SORTE SEU DIREITO]
SONETO CLXXIII [O CÉU A TERRA O VENTO SOSSEGADO]
SONETO CLXXIV [AH FORTUNA CRUEL! AH DUROS FADOS]
SONETO CLXXIX [OS MEUS ALEGRES VENTUROSOS DIAS]
SONETO CLXXV [QUANTO TEMPO OLHOS MEUS COM TAL LAMENTO]
SONETO CLXXVI [LEMBRANÇAS QUE LEMBRAIS MEU BEM PASSADO]
SONETO CLXXVII [QUANDO OS OLHOS EMPREGO NO PASSADO]
SONETO CLXXVIII [JÁ CANTEI JÁ CHOREI A DURA GUERRA]
SONETO CLXXX [HORAS BREVES DE MEU CONTENTAMENTO]
SONETO CLXXXI [ONDE ACHAREI LUGAR TÃO APARTADO]
SONETO CLXXXII [AQUI DE LONGOS DANOS BREVE HISTÓRIA]
SONETO CLXXXIII [POR SUA NINFA CÉFALO DEIXAVA]
SONETO CLXXXIV [SENTINDO-SE ALCANÇADA A BELA ESPOSA]
SONETO CLXXXIX [ORNOU SUBLIME ESFORÇO AO GRANDE ATLANTE]
SONETO CLXXXV [SEGUIA AQUELE FOGO QUE O GUIAVA]
SONETO CLXXXVI [OS OLHOS ONDE O CASTO AMOR ARDIA]
SONETO CLXXXVII [DITOSA PENA COMO A MÃO QUE A GUIA]
SONETO CLXXXVIII [ESPANTA CRESCER TANTO O CROCODILO]
SONETO CV [QUEM PUDERA JULGAR DE VÓS, SENHORA]
SONETO CVI [QUEM, SENHORA, PRESUME DE LOUVAR-VOS]
SONETO CVII [MORADORAS GENTIS E DELICADAS]
SONETO CVIII [BRANDAS ÁGUAS DO TEJO QUE PASSANDO]
SONETO CX [ONDE POREI MEUS OLHOS QUE NÃO VEJA]
SONETO CXC [DEPOIS QUE VIU CIBELE O CORPO HUMANO]
SONETO CXCI [POIS TORNA POR SEU REI E JUNTAMENTE]
SONETO CXCII [AGORA TOMA A ESPADA AGORA A PENA]
SONETO CXCIII [ERROS MEUS, MA FORTUNA, AMOR ARDENTE]
SONETO CXCIV [CÁ NESTA BABILÔNIA ONDE MANA]
SONETO CXCIX [DOS CÉUS À TERRA DESCE A MOR BELEZA]
SONETO CXCV [CORREM TURVAS AS ÁGUAS DESTE RIO]
SONETO CXCVI [VÓS OUTROS QUE BUSCAIS REPOUSO CERTO]
SONETO CXCVII [PARA SE NAMORAR DO QUE CRIOU]
SONETO CXCVIII [DESCE DO CÉU IMENSO, DEUS BENIGNO]
SONETO CXI [JÁ DO MONDEGO AS ÁGUAS APARECEM]
SONETO CXII [QUE DOIDO PENSAMENTO É O QUE SIGO]
SONETO CXIII [UM FIRME CORAÇÃO POSTO EM VENTURA]
SONETO CXIV [AR QUE DE MEUS SUSPIROS VEJO CHEIO]
SONETO CXIX [A VIOLETA MAIS BELA QUE AMANHECE]
SONETO CXL [TAL MOSTRA DÁ DE SI VOSSA FIGURA]
SONETO CXLI [NA DESESPERAÇÃO JÁ REPOUSAVA]
SONETO CXLII [DIVERSOS DONS REPARTE O CÉU BENIGNO]
SONETO CXLIII [GENTIL SENHORA SE A FORTUNA INIMIGA]
SONETO CXLIV [QUE MODO TÃO SUTIL DA NATUREZA]
SONETO CXLIX [SEMPRE A RAZÃO VENCIDA FOI DE AMOR]
SONETO CXLV [QUANDO SE VIR COM ÁGUA O FOGO ARDER]
SONETO CXLVI [QUANDO A SUPREMA DOR MUITO ME APERTA]
SONETO CXLVII [NA MARGEM DE UM RIBEIRO QUE FENDIA]
SONETO CXLVIII [SE ME VEM TANTA GLÓRIA SÓ DE OLHAR-TE]
SONETO CXV [JÁ CLARO VEJO BEM JÁ BEM CONHEÇO]
SONETO CXVI [DE CÁ DONDE SOMENTE O IMAGINAR-VOS]
SONETO CXVII [NÃO HÁ LOUVOR QUE ARRIBE À MENOR PARTE]
SONETO CXVIII [NÃO VÁS AO MONTE, NISE, COM TEU GADO]
SONETO CXX [TORNAI ESSA BRANCURA À ALVA AÇUCENA]
SONETO CXXI [DE MIL SUSPEITAS VÃS SE ME LEVANTAM]
SONETO CXXII [MIL VEZES DETERMINO NÃO VOS VER]
SONETO CXXIII [A CHAGA QUE, SENHORA, ME FIZESTES]
SONETO CXXIV [SE COM DESPREZOS, NINFA, TE PARECE]
SONETO CXXIX [CRESCEI, DESEJO MEU, POIS QUE A VENTURA]
SONETO CXXV [SENHORA MINHA SE EU DE VÓS AUSENTE]
SONETO CXXVI [NO REGAÇO DA MÃE AMOR ESTAVA]
SONETO CXXVII [ESTE TERRESTRE CAOS COM SEUS VAPORES]
SONETO CXXVIII [UMA ADMIRÁVEL ERVA SE CONHECE]
SONETO CXXX [É O GOZADO BEM EM ÁGUA ESCRITO]
SONETO CXXXI [DE QUANTAS GRAÇAS TINHA A NATUREZA]
SONETO CXXXII [NUNCA EM AMOR DANOU O ATREVIMENTO]
SONETO CXXXIII [DOCES ÁGUAS E CLARAS DO MONDEGO]
SONETO CXXXIV [SENHOR JOÃO LOPES, O MEU BAIXO ESTADO]
SONETO CXXXIX [POR CIMA DESTAS ÁGUAS FORTE E FIRME]
SONETO CXXXV [A MORTE QUE DA VIDA O NÓ DESATA]
SONETO CXXXVI [ÁRVORE CUJO POMO BELO E BRANDO]
SONETO CXXXVII [O FILHO DE LATONA ESCLARECIDO]
SONETO CXXXVIII [PRESENÇA BELA, ANGÉLICA FIGURA]
SONETO I [ENQUANTO QUIS FORTUNA QUE TIVESSE]
SONETO II [EU CANTAREI DE AMOR TÃO DOCEMENTE]
SONETO III [COM GRANDES ESPERANÇAS JÁ CANTEI]
SONETO IV [DEPOIS QUE QUIS AMOR QUE EU SÓ]
SONETO IX [TANTO DE MEU ESTADO ME ACHO INCERTO]
SONETO L [AMOR, COM A ESPERANÇA JÁ PERDIDA]
SONETO LI [APOLO E AS NOVE MUSAS, DESCANTANDO]
SONETO LII [LEMBRANÇAS SAUDOSAS, SE CUIDAIS]
SONETO LIII [APARTAVA-SE NISE DE MONTANO]
SONETO LIV [QUANDO VEJO QUE MEU DESTINO ORDENA]
SONETO LIX [QUEM JAZ NO GRÃO SEPULCRO, QUE DESCREVE]
SONETO LV [DEPOIS DE TANTOS DIAS MAL GASTADOS]
SONETO LVI [NAIADES, VOS QUE OS RIOS HABITAIS]
SONETO LVII [MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDAM-SE AS VONTADES]
SONETO LVIII [SE AS PENAS COM QUE AMOR TÃO MAL ME TRATA]
SONETO LX [QUEM PODE LIVRE SER, GENTIL SENHORA]
SONETO LXI [COMO FIZESTE, Ó PÓRCIA, TAL FERIDA]
SONETO LXII [DE TÃO DIVINO ACENTO E VOZ HUMANA]
SONETO LXIII [DEBAIXO DESTA PEDRA ESTÁ METIDO]
SONETO LXIV [QUE VENÇAIS NO ORIENTE TANTOS REIS]
SONETO LXIX [FERIDO SEM TER CURA PERECIA]
SONETO LXV [VOSSOS OLHOS, SENHORA, QUE COMPETEM]
SONETO LXVI [FORMOSURA DO CÉU A NÓS DESCIDA]
SONETO LXVII [POIS MEUS OLHOS NÃO CANSAM DE CHORAR]
SONETO LXVIII [DAI-ME UMA LEI, SENHORA, DE QUERER-VOS]
SONETO LXX [NA METADE DO CÉU SUBIDO ARDIA]
SONETO LXXI [JÁ A SAUDOSA AURORA DESTOUCAVA]
SONETO LXXII [QUANDO DE MINHAS MÁGOAS A COMPRIDA]
SONETO LXXIII [SUSPIROS INFLAMADOS QUE CANTAIS]
SONETO LXXIV [AQUELA FERA HUMANA QUE ENRIQUECE]
SONETO LXXIX [BEM SEI, AMOR, QUE É CERTO O QUE RECEIO]
SONETO LXXV [DITOSO SEJA AQUELE QUE SOMENTE]
SONETO LXXVI [QUEM FOSSE ACOMPANHANDO JUNTAMENTE]
SONETO LXXVII [O CULTO DIVINAL SE CELEBRAVA]
SONETO LXXVIII [LEDA SERENIDADE DELEITOSA]
SONETO LXXX [COMO QUANDO DO MAR TEMPESTUOSO]
SONETO LXXXI [AMOR É UM FOGO QUE ARDE SEM SE VER]
SONETO LXXXII [SE PENA POR AMAR-VOS SE MERECE]
SONETO LXXXIII [QUE LEVAS, CRUEL MORTE? UM CLARO DIA]
SONETO LXXXIV [ONDADOS FIOS DE OURO RELUZENTE]
SONETO LXXXIX [NO MUNDO QUIS O TEMPO QUE SE ACHASSE]
SONETO LXXXV [FOI JÁ NUM TEMPO DOCE COISA AMAR]
SONETO LXXXVI [DOS ANTIGOS ILUSTRES QUE DEIXARAM]
SONETO LXXXVII [CONVERSAÇÃO DOMÉSTICA AFEIÇOA]
SONETO LXXXVIII [ESFORÇO GRANDE, IGUAL AO PENSAMENTO]
SONETO V [EM PRISÕES BAIXAS FUI UM TEMPO ATADO]
SONETO VI [ILUSTRE E DIGNO RAMO DOS MENEZES]
SONETO VII [NO TEMPO QUE DE AMOR VIVER SOÍA]
SONETO VIII [AMOR, QUE O GESTO HUMANO NA ALMA ESCREVE]
SONETO X [TRANSFORMA-SE O AMADOR NA COISA AMADA]
SONETO XC [A PERFEIÇÃO, A GRAÇA, O DOCE JEITO]
SONETO XCI [VÓS, QUE DE OLHOS SUAVES E SERENOS]
SONETO XCII [QUE PODEREI DO MUNDO JÁ QUERER]
SONETO XCIII [PENSAMENTOS, QUE AGORA NOVAMENTE]
SONETO XCIV [SE TOMO A MINHA PENA EM PENITÊNCIA]
SONETO XCIX [O RAIO CRISTALINO SE ESTENDIA]
SONETO XCV [AQUELA QUE DE PURA CASTIDADE]
SONETO XCVI [OS VESTIDOS ELISA REVOLVIA]
SONETO XCVII [OH QUÃO CARO ME CUSTA O ENTENDER-TE]
SONETO XCVIII [SE DEPOIS DE ESPERANÇA TÃO PERDIDA]
SONETO XI [PASSO POR MEUS TRABALHOS TÃO ISENTO]
SONETO XII [EM FLOR VOS ARRANCOU, DE ENTÃO CRESCIDA]
SONETO XIII [NUM JARDIM ADORNADO DE VERDURA]
SONETO XIV [TODO O ANIMAL DA CALMA REPOUSAVA]
SONETO XIX [ALMA MINHA GENTIL, QUE TE PARTISTE]
SONETO XL [ALEGRES CAMPOS VERDES ARVOREDOS]
SONETO XLI [QUANTAS VEZES DO FUSO SE ESQUECIA]
SONETO XLII [LINDO E SUTIL TRANÇADO, QUE FICASTE]
SONETO XLIII [O CISNE QUANDO SENTE SER CHEGADA]
SONETO XLIV [POR OS RAROS EXTREMOS QUE MOSTROU]
SONETO XLIX [JÁ É TEMPO, JÁ, QUE MINHA CONFIANÇA]
SONETO XLV [TOMAVA DALIANA POR VINGANÇA]
SONETO XLVI [GRÃO TEMPO HÁ JÁ QUE SOUBE DA VENTURA]
SONETO XLVII [SE SOMENTE HORA ALGUMA EM VÓS PIEDADE]
SONETO XLVIII [OH COMO SE ME ALONGA DE ANO EM ANO]
SONETO XV [BUSQUE AMOR NOVAS ARTES, NOVO ENGENHO]
SONETO XVI [QUEM VÊ SENHORA, CLARO E MANIFESTO]
SONETO XVII [QUANDO DA BELA VISTA E DOCE RISO]
SONETO XVIII [DOCES LEMBRANÇAS DA PASSADA GLÓRIA]
SONETO XX [NUM BOSQUE QUE DAS NINFAS SE HABITAVA]
SONETO XXI [OS REINOS E OS IMPÉRIOS PODEROSOS]
SONETO XXII [DE VOS ME PARTO, Ó VIDA, EM TAL MUDANÇA]
SONETO XXIII [CARA MINHA INIMIGA, EM CUJA MÃO]
SONETO XXIV [AQUELA TRISTE E LEDA MADRUGADA]
SONETO XXIX [SETE ANOS DE PASTOR JACOB SERVIA]
SONETO XXV [SE QUANDO VOS PERDI, MINHA ESPERANÇA]
SONETO XXVI [EM FORMOSA LETÉIA SE CONFIA]
SONETO XXVII [MALES QUE CONTRA MIM VOS CON JURASTES]
SONETO XXVIII [ESTÁ-SE A PRIMAVERA TRASLADANDO]
SONETO XXX [ESTÁ O LASCIVO E DOCE PASSARINHO]
SONETO XXXI [PEDE O DESEJO, DAMA, QUE VOS VEJA]
SONETO XXXII [PORQUE QUEREIS, SENHORA, QUE OFEREÇA]
SONETO XXXIII [SE TANTA PENA TENHO MERECIDA]
SONETO XXXIV [QUANDO O SOL ENCOBERTO VAI MOSTRANDO]
SONETO XXXIX [O FOGO QUE NA BRANDA CERA ARDIA]
SONETO XXXV [UM MOVER DE OLHOS BRANDO E PIEDOSO]
SONETO XXXVI [TOMOU-ME VOSSA VISTA SOBERANA]
SONETO XXXVII [NÃO PASSES, CAMINHANTE. QUEM ME CHAMA]
SONETO XXXVIII [FORMOSOS OLHOS QUE NA IDADE NOSSA]
SONETO LXXXI [AMOR É UM FOGO QUE ARDE SEM SE VER]

LXXXI

Amor é um fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É um não contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É um estar-se preso por vontade;
É servir a quem vence o vencedor;
É um ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode o seu favor
Nos mortais corações conformidade,
Sendo a si tão contrário o mesmo Amor?

© LUIZ VAZ DE CAMÕES
In Obras de Luíz de Camões (Vol. II), 1861
Pelo Visconde de Juromenha

NOTA:
1. ortografia atualizada

Número de visualizações em 2017: 939
Número de curtidas: 136
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil