SONETO XCV [AQUELA QUE DE PURA CASTIDADE]

XCV

Aquela que, de pura castidade,
De si mesma tomou cruel vingança
Por uma breve e súbita mudança,
Contrária a sua honra e qualidade

Venceu à formosura a honestidade,
Venceu no fim da vida a esperança
Porque ficasse viva tal lembrança,
Tal amor, tanta fé, tanta verdade.

De si, da gente e do mundo esquecida,
Feriu com duro ferro o brando peito,
Banhando em sangue a força do tirano.

Oh! Estranha ousadia! Estranho feito!
Que, dando breve morte ao corpo humano,
Tenha sua memória larga vida!

© LUIZ VAZ DE CAMÕES
In Obras de Luíz de Camões (Vol. II), 1861
Pelo Visconde de Juromenha

NOTA:
1. ortografia atualizada

Número de visualizações em 2017: 1557
Número de curtidas: 97
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (17)

Quem é "Aquela"? Dá para perceber que o poeta se refere a personagem conhecida. O soneto necessita de uma orientação prévia ao leitor. Não basta pura e simplesmente reproduzi-lo.
Vai comer pilinha Rogie!
na vagina ratabye
oh sim
violador ahhh foge Rogerio
violador ahhh foge Rogerio
violador ahhh foge Rogerio
violador ahhh foge Rogerio
rogerio ele foi se embora uff
rogerio ele foi se embora uff
rogerio ele foi se embora uff
rogerio ele foi se embora uff
rogerio ele foi se embora uff
AM BACK BITCHES Prepare your anus
FUUUUUUUCKKKKKKKKKK MY ANUS
FUUUUUUUCKKKKKKKKKK MY ANUS
FUUUUUUUCKKKKKKKKKK MY ANUS

Postar um novo comentário