INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
 
:: POESIAS ::
 
13 DE MAIO
A AUGUSTA
A CARIDADE
A CH. F. FILHO DE UM PROSCRITO
A CÓLERA DO IMPÉRIO
A D. GABRIELA DA CUNHA
A ESTRELA DA TARDE
A F. X. NOVAIS
A FRANCISCO PINHEIRO GUIMARÃES
À ITÁLIA
À MADAME ARSÈNE CHARTON DEMEUR
À MEMÓRIA DO ATOR TASSO
A MISSÃO DO POETA
À MME. DE LA GRANGE
A MORTE NO CALVÁRIO
A PALMEIRA
A PARTIDA
A REDENÇÃO
A S. M. I.
A SAUDADE [1]
A SAUDADE [2]
A UM LEGISTA
A UM POETA
A UM PROSCRITO
A UMA MENINA
A***
ÁLVARES DE AZEVEDO
AMANHÃ
AO CARNAVAL DE 1860
AS ROSAS
AS VENTOINHAS
ASPIRAÇÃO
CÉSAR! FULGE MAIS LUZ
COGNAC!...
CONDÃO
CONSUMMATUM EST!
CORAÇÃO PERDIDO
DAQUI DESTE ÂMBITO ESTREITO
DEUS EM TI
DORMIR NO CAMPO
ELA
EM HOMENAGEM À D. ISABEL E AO CONDE D’EU
EPITÁFIO DO MÉXICO
ERRO
ESPERANÇA
ESTA NOITE
ESTÂNCIAS NUPCIAIS
FASCINAÇÃO
FLOR DA MOCIDADE
FLOR E FRUTO
GABRIELA DA CUNHA
HINO PATRIÓTICO
HORAS VIVAS
ÍCARO
ITE, MISSA EST
JÚLIA
LA MARCHESA DE MIRAMAR
LÁGRIMAS
LÁGRIMAS DE CERA
LIVROS E FLORES
LUDOVINA MOUTINHO [ELEGIA]
MANHÃ DE INVERNO
MENINA E MOÇA
MEU ANJO
MEUS VERSOS
MINHA MÃE
MINHA MUSA
MONTE ALVERNE
MUSA CONSOLATRIX
MUSA DOS OLHOS VERDES
NÃO HÁ PENSAMENTO RARO
NÃO?
NO ÁLBUM DA ARTISTA LUDOVINA MOUTINHO
NO ÁLBUM DO SR. F. G. BRAGA
NO ÁLBUM DO SR. QUINTELA
NO CASAMENTO DA PRINCESA ISABEL
NO ESPAÇO
NO LIMIAR
NOIVADO
NUNCA MAIS
O DILÚVIO
O GÊNIO ADORMECIDO
O GRITO DO IPIRANGA
O MEU VIVER
O PÃO D’AÇÚCAR
O PROFETA
O PROGRESSO
O SOFÁ
O VERME
OFÉLIA
ONTEM, HOJE, AMANHÃ
OS ARLEQUINS
OS DOIS HORIZONTES
PÁLIDA ELVIRA
PARÓDIA
PÁSSAROS
POLÔNIA
POR ORA SOU PEQUENINA
PRELÚDIO
QUANDO ELA FALA
QUINZE ANOS
REFLEXO
RESIGNAÇÃO
RICARDO
RUÍNAS
S. HELENA
SAUDADES
SINHÁ
SOMBRAS
SONHOS
STELLA
TEU CANTO
TRAVESSA
TRISTEZA
ÚLTIMA FOLHA
UM ANJO
UM NOME
UM SORRISO
UMA FLOR? — UMA LÁGRIMA
UN VIEUX PAYS
VAI-TE
VELHO TEMA
VEM!
VERSOS
VERSOS A CORINA [III]
VERSOS A CORINA [II]
VERSOS A CORINA [IV]
VERSOS A CORINA [I]
VERSOS A CORINA [VI]
VERSOS A CORINA [V]
VISÃO
VISIO
VIVA O DIA 11 DE JUNHO
VOULEZ-VOUS DU FRANÇAIS?
 
:: SONETOS ::
 
26 DE OUTUBRO
A CAROLINA
A DERRADEIRA INJÚRIA
A FRANCISCA
A GUIOMAR
À ILMA. SRA. D. P. J. A.
AO DR. XAVIER DA SILVEIRA
AS NÁUFRAGAS
CALA-TE, AMOR DE MÃE
DAI À OBRA DE MARTA UM POUCO DE MARIA
ENTRA CANTANDO, ENTRA CANTANDO, APOLO!
LUZ ENTRE SOMBRAS
NAQUELE ETERNO AZUL, ONDE COEMA
REFUS
RELÍQUIA ÍNTIMA
SONETO A S. M. O IMPERADOR, O SENHOR D. PEDRO II
SONETO CIRCULAR
SONETO [1]
SONETO [2]
SONETO [3]
 
:: HOMENAGENS ::
 
EMBIRRAÇÃO
 
:: OUTROS TEXTOS ::
 
POSFÁCIO DO LIVRO CRISÁLIDAS
PREFÁCIO DE CRISÁLIDAS
 
:: TRADUÇÕES ::
 
A ELVIRA
A JOVEM CATIVA
A MORTE DE OFÉLIA
ALPUJARRA
AS ONDINAS
CANTIGA DO ROSTO BRANCO
CEGONHAS E RODOVALHOS
CLEÓPATRA
ESTÂNCIAS A EMA
LIRA CHINESA - AS FLORES E OS PINHEIROS
LIRA CHINESA - A FOLHA DO SALGUEIRO
LIRA CHINESA - A UMA MULHER
LIRA CHINESA - CORAÇÃO TRISTE FALANDO AO SOL
LIRA CHINESA - O IMPERADOR
LIRA CHINESA - O LEQUE
LIRA CHINESA - O POETA A RIR
LIRA CHINESA - REFLEXOS
LÚCIA
MARIA DUPLESSIS
O CASAMENTO DO DIABO
O CORVO
O PRIMEIRO BEIJO
OS DEUSES DA GRÉCIA
PRÓLOGO DO INTERMEZZO
SOUVENIRS D’EXIL
MARIA DUPLESSIS

(AL. DUMAS FILHO —1859) (1, 2)


Fiz promessa, dizendo-te que um dia
Eu iria pedir-te o meu perdão;
Era dever ir abraçar primeiro
A minha doce e última afeição.

E quando ia apagar tanta saudade
Encontrei já fechada a tua porta;
Soube que uma recente sepultura
Muda fechava a tua fronte morta.

Soube que, após um longo sofrimento,
Agravara-se a tua enfermidade;
Viva esperança que eu nutria ainda
Despedaçou cruel fatalidade.

Vi, apertado de fatais lembranças,
A escada que eu subira tão contente;
E as paredes, herdeiras do passado,
Que vêm falar dos mortos ao vivente.

Subi e abri com lágrimas a porta
Que ambos abrimos a chorar um dia;
E evoquei o fantasma da ventura
Que outrora um céu de rosas nos abria

Sentei-me à mesa, onde contigo outrora
Em noites belas de verão ceava;
Desses amores plácidos e amenos
Tudo ao meu triste coração falava.

Fui ao teu camarim, e vi-o ainda
Brilhar com o esplendor das mesmas cores;
E pousei meu olhar nas porcelanas
Onde morriam inda algumas flores...

Vi aberto o piano em que tocavas;
Tua morte o deixou mudo e vazio,
Como deixa o arbusto sem folhagem,
Passando pelo vale, o ardente estio.

Tornei a ver o teu sombrio quarto
Onde estava a saudade de outros dias...
Um raio iluminava o leito ao fundo
Onde, rosa de amor, já não dormias.

As cortinas abri que te amparavam
Da luz mortiça da manhã, querida,
Para que um raio depusesse um toque
De prazer em tua fronte adormecida.

Era ali que, depois da meia-noite,
Tanto amor nós sonhávamos outrora;
E onde até o raiar da madrugada
Ouvíamos bater — hora por hora!

Então olhavas tu a chama ativa
Correr ali no lar, como a serpente;
É que o sono fugia de teus olhos
Onde já te queimava a febre ardente.

Lembras-te agora, nesse mundo novo,
Dos gozos desta vida em que passaste?
Ouves passar, no túmulo em que dormes,
A turba dos festins que acompanhaste?

A insônia, como um verme em flor que murcha,
De contínuo essas faces desbotava;
E pronta para amores e banquetes
Conviva e cortesã te preparava.

Hoje, Maria, entre virentes flores,
Dormes em doce e plácido abandono;
A tua alma acordou mais bela e pura,
E Deus pagou-te o retardado sono.

Pobre mulher! em tua última hora
Só um homem tiveste à cabeceira;
E apenas dois amigos dos de outrora
Foram levar-te à cama derradeira.

© ALEXANDRE DUMAS FILHO
TRADUÇÃO: MACHADO DE ASSIS
In Crisálidas, 1864

NOTAS:

(1) Em 1858, eu e o meu finado amigo F. Gonsalves Braga resolvemos fazer uma tradução livre ou paráfrase destes versos de Alexandre Dumas, filho. No dia aprazado apresentamos e confrontamos o nosso trabalho. A tradução dele foi publicada, não me lembro em que jornal. [M.A.]

(2) Alexandre Dumas Filho foi um romancista francês. Filho do também escritor Alexandre Dumas.

Número de visualizações em 2017: 333
Número de curtidas: 55
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (1)

Linda essa poesia

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil