INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
 
:: POESIAS ::
 
A ILHA DE CIPANGO
A MERETRIZ
À MESA
ALUCINAÇÃO À BEIRA-MAR
AS CISMAS DO DESTINO
ASA DE CORVO
BARCAROLA
CANTO DE AGONIA
DUAS ESTROFES
GEMIDOS DE ARTE
INSÔNIA
MÃOS
MATER
MISTÉRIOS DE UM FÓSFORO
MONÓLOGO DE UMA SOMBRA
NOITE DE UM VISIONÁRIO
NUMA FORJA
OS DOENTES
POEMA NEGRO
QUEIXAS NOTURNAS
TRISTEZAS DE UM QUARTO MINGUANTE
UMA NOITE NO CAIRO
VERSOS DE AMOR
VIAGEM DE UM VENCIDO
 
:: SONETOS ::
 
A ÁRVORE DA SERRA
A DANÇA DA PSIQUE
A FLORESTA
A FOME E O AMOR
A IDÉIA
A NAU
A NOITE
A UM CARNEIRO MORTO
A UM EPILÉTICO
A UM GÉRMEN
A UM MASCARADO
ABERRAÇÃO
AGONIA DE UM FILÓSOFO
ANSEIO
AO LUAR
AOS MEUS FILHOS
APOCALIPSE
APÓSTROFE À CARNE
AS MONTANHAS
BUDISMO MODERNO
CANTO DE ONIPOTÊNCIA
CAPUT IMMORTALE
CONTRASTES
DEBAIXO DO TAMARINDO
DECADÊNCIA
DEPOIS DA ORGIA
ETERNA MÁGOA
GUERRA
HINO À DOR
HOMO INFIMUS
IDEALISMO
IDEALIZAÇÃO DA HUMANIDADE FUTURA
INSÂNIA DE UM SIMPLES
LOUVOR À UNIDADE
MATER ORIGINALIS
MINHA ÁRVORE
MINHA FINALIDADE
NATUREZA ÍNTIMA
NOLI ME TANGERE
O CAIXÃO FANTÁSTICO
O CANTO DOS PRESOS
O CORRUPIÃO
O DEUS VERME
O FIM DAS COISAS
O LAMENTO DAS COISAS
O LÁZARO DA PÁTRIA
O LUPANAR
O MAR, A ESCADA E O HOMEM
O MARTÍRIO DO ARTISTA
O MEU NIRVANA
O MORCEGO
O PÂNTANO
O POETA DO HEDIONDO
O SARCÓFAGO
O ÚLTIMO NÚMERO
PSICOLOGIA DE UM VENCIDO
REVELAÇÃO
RICORDANZA DELLA MIA GIOVENTÚ
SOLILÓQUIO DE UM VISIONÁRIO
SOLITÁRIO
SONETO (AO MEU FILHO MORTO)
SONETOS I (A MEU PAI DOENTE)
SONETOS II (A MEU PAI MORTO)
SONETOS III (A MEU PAI MORTO)
SONHO DE UM MONISTA
SUPRÊME CONVULSION
TREVAS
ÚLTIMA VISIO
ÚLTIMO CREDO
VANDALISMO
VENCEDOR
VENCIDO
VERSOS A UM CÃO
VERSOS A UM COVEIRO
VERSOS ÍNTIMOS
VÍTIMA DO DUALISMO
VOLÚPIA IMORTAL
VOX VICTIMAE
VOZES DA MORTE
VOZES DE UM TÚMULO
HOMO INFIMUS

Homem, carne sem luz, criatura cega,
Realidade geográfica infeliz,
O Universo calado te renega
E a tua própria boca te maldiz!

O nôumeno e o fenômeno, o alfa e o omega
Amarguram-te. Hebdômadas hostis
Passam... Teu coração se desagrega,
Sangram-te os olhos, e, entretanto, ris!

Fruto injustificável dentre os frutos,
Montão de estercorária argila preta,
Excrescência de terra singular.

Deixa a tua alegria aos seres brutos,
Porque, na superfície do planeta,
Tu só tens um direito: - o de chorar!


© AUGUSTO DOS ANJOS
Eu e outras poesias, 1920

Número de visualizações em 2017: 2169
Número de curtidas: 130
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (1)

Avatar do visitante

Manoel P. de luna · 07/03/2015, às 03h08

Para quê tecer comentários sobre a natureza humana. Ela já se basta por estar muito ligada ao irracional. Nos dias de hoje encontramos pessoas que beijam na boca, os seus cachorros e os tratam como seus semelhantes. Oferecem à eles seu mais requintado farnel e dormem com ele em suas próprias camas. Entretanto, sua vizinha, uma criança esquálida, moribunda não recebe dela um mísero olhar.

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil