CHAMADO DA POESIA

Ouço a poesia que me chama.
São vozes que passam numa estrada
Agitando lembranças
Que não moravam na lembrança.

Ouço a poesia que me acena.
E vejo alguém, um vulto ao longe,
Dançando. Quem dança (...)

Obra resguardada por direito autoral. Para conferir o restante deste texto, consulte a referência bibliográfica indicada abaixo.

©m, um vulto ao longe,
Dançando. Quem dançará para os meus olhos,
já fatigados e desertos?
Quem dança assim, na noite ardente?
Ó corpo em flor, que o vento em música mudado
Como uma rosa despetala.

Quem canta, assim, na noite rouca?
Quem canta, assim, o amor do mundo celebrando?

Ouço a poesia que me acena!

É efêmero, Ã

Número de visualizações em 2017: 210
Número de curtidas: 31
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário