NOITE ALTA

A noite vai alta.
No quarto, o luar
acende o retrato
de um menino. O mar

conta velhos contos
de morrer e amar
e o menino o escuta
no retrato ao luar.

Na cama, o homem pensa
que tudo é sonhar
como o sonho de
luar, menino, mar.

Como o de si mesmo
na vida tardia,
com mar, luar, menino
que ele foi um dia.


© RUY ESPINHEIRA FILHO _____ In: Noite alta e outros poemas. São Paulo: Editora Patuá, 2015. 


Número de visualizações em 2017: 193
Número de curtidas: 34
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário