INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A ABGAR RENAULT
A BRUXA
A BUNDA, QUE ENGRAÇADA
A CARLITO
A HORA DO CANSAÇO
A MÁQUINA DO MUNDO
A MESA
A PALAVRA MÁGICA
A UM AUSENTE
ACORDAR, VIVER
ALÉM DA TERRA, ALÉM DO CÉU
ALTA CIRURGIA
AMAR
AMOR
AMOR - POIS QUE É PALAVRA ESSENCIAL
AMOR SINAL ESTRANHO
ANOITECER
APARIÇÃO AMOROSA
AS ROSAS DO TEMPO
AS SEM-RAZÕES DO AMOR
ASPIRAÇÃO
AURORA
AUSÊNCIA
BALADA DO AMOR ATRAVÉS DAS IDADES
BEIJA-FLORES DO BRASIL
BOATO DA PRIMAVERA
BOCA
BOITEMPO
BRINDE NO BANQUETE DAS MUSAS
CAMPO DE FLORES
CANÇÃO AMIGA
CANTIGA
CANTIGA DE VIÚVO
CANTO BRASILEIRO
CARREGO COMIGO
CARTA [2]
CASO DO VESTIDO
CASO PLUVIOSO
CASTIDADE
COMO FAZER FELIZ MEU FILHO
CONFIDÊNCIA DO ITABIRANO
CONFRONTO
CONSIDERAÇÃO DO POEMA
CONSOLO NA PRAIA
DESLIGAMENTO DO POETA
ELEGIA
ELEGIA 1938
EU, ETIQUETA
EXPLICAÇÃO
INFÂNCIA
JOSÉ
LEMBRANÇA DO MUNDO ANTIGO
LEMBRETE
LIBERDADE
LIRA ROMANTIQUINHA
MÃOS DADAS
MEMÓRIA
MENINO CHORANDO NA NOITE
MISSÃO DO CORPO
MORTE DO LEITEIRO
MORTE NO AVIÃO
MUNDO GRANDE
NO MEIO DO CAMINHO
O AMOR ANTIGO
O AMOR BATE NA AORTA
O CHÃO É CAMA
O LUTADOR
O MUNDO É GRANDE
O POEMA DA BAHIA QUE NÃO FOI ESCRITO
O POEMA DAS MÃOS QUE NÃO TERÃO OUTRAS MÃOS NUMA TARDE FRIA DE JUNHO
O POEMA DAS MÃOS SOLUÇANTES, QUE SE ERGUEM NUM DESEJO E NUMA SÚPLICA
O POEMA DOS OLHOS QUE ADORMECERAM VENDO A BELEZA DA TERRA
O PROCURADOR DO AMOR
O SEU SANTO NOME
O TEMPO PASSA? NÃO PASSA
OBRIGADO
OS NAMORADOS DO BRASIL
OS NOMES DA AMADA
OS OMBROS SUPORTAM O MUNDO
PARA SEMPRE
PASSAGEM DO ANO
POEMA DE SETE FACES
POEMA PATÉTICO
PORQUE
PROCURA DA POESIA
QUERO
QUERO ME CASAR
RECEITA DE ANO NOVO
RESÍDUO
RETRATO DE FAMÍLIA
SEGREDO
SENTIMENTO DO MUNDO
SER
SOCIEDADE
SUAS MÃOS
TAMBÉM JÁ FUI BRASILEIRO
TARDE DE MAIO
VERSOS À BOCA DA NOITE
VIAGEM NA FAMÍLIA
VISÃO
 
:: SONETOS ::
 
A DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO
A INGAIA CIÊNCIA
A TELA CONTEMPLADA
A VIDA PASSADA A LIMPO
A VOZ
AMOR E SEU TEMPO
CARTA
CIRCULAÇÃO DO POETA
CONCLUSÃO
CONFISSÃO
CONHECIMENTO DE JORGE DE LIMA
DESTRUIÇÃO
DOMICÍLIO
ENCONTRO
ENTRE O SER E AS COISAS
FRAGA E SOMBRA
INSTANTE
JARDIM
LEÃO-MARINHO
LEGADO
O QUARTO EM DESORDEM
OFICINA IRRITADA
OS PODERES INFERNAIS
REMISSÃO
REPETIÇÃO
RETORNO
SONETILHO DO FALSO FERNANDO PESSOA
SONETO DA BUQUINAGEM
SONETO DA LOUCURA
SONETO DA PERDIDA ESPERANÇA
SONETOS DO PÁSSARO
TRAÇOS DO POETA
VIAGEM DE AMÉRICO FACÓ
 
:: HOMENAGENS ::
 
A FALTA DE ÉRICO VERÍSSIMO
A FEDERICO GARCÍA LORCA
AUGUSTO FREDERICO SCHMIDT 10 ANOS DEPOIS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE - MANUEL BANDEIRA
DESDOBRAMENTO DE ADALGISA
MANUEL BANDEIRA FAZ NOVENT’ANOS
MURILO MENDES HOJE/AMANHÃ
VISÃO DE CLARICE LISPECTOR
CASO PLUVIOSO

A chuva me irritava. Até que um dia
descobri que maria é que chovia.

A chuva era maria. E cada pingo
de maria ensopava o meu domingo.

E meus ossos molhando, me deixava
como terra que a chuva lavra e lava.

Eu era todo barro, sem verdura...
maria, chuvosíssima criatura!

Ela chovia em mim, em cada gesto,
pensamento, desejo, sono, e o resto.

Era chuva fininha e chuva grossa,
matinal e noturna, ativa... Nossa!

Não me chovas, maria, mais que o justo
chuvisco de um momento, apenas susto.

Não me inundes de teu líquido plasma,
não sejas tão aquático fantasma!

Eu lhe dizia - em vão - pois que maria
quanto mais eu rogava, mais chovia.

E chuveirando atroz em meu caminho,
o deixava banhado em triste vinho,

que não aquece, pois água de chuva
mosto é de cinza, não de boa uva.

Chuvadeira maria, chuvadonha,
chuvinhenta, chuvil, pluvimedonha!

Eu lhe gritava: Para! e ela chovendo,
poças d’água gelada ia tecendo.

Choveu tanto maria em minha casa
que a correnteza forte criou asa

e um rio se formou, ou mar, não sei,
sei apenas que nele me afundei.

E quanto mais as ondas me levavam,
as fontes de maria mais chuvavam,

de sorte que com pouco, e sem recurso,
as coisas se lançaram no seu curso,

e eis o mundo molhado e sovertido
sob aquele sinistro e atro chuvido.

Os seres mais estranhos se juntando
na mesma aquosa pasta iam clamando

contra essa chuva estúpida e mortal
catarata (jamais houve outra igual).

Anti-petendam cânticos se ouviram.
Que nada! As cordas d’água mais deliram,

e maria, torneira desatada,
mais se dilata em sua chuvarada.

Os navios soçobram. Continentes
já submergem com todos os viventes,

e maria chovendo. Eis que a essa altura,
delida e fluida a humana enfibratura,

e a terra não sofrendo tal chuvência,
comoveu-se a Divina Providência,

e Deus, piedoso e enérgico, bradou:
Não chove mais, maria! - e ela parou.

© CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
In: Viola de Bolso, 1955 e
ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia Completa. São Paulo: Nova Aguilar, 2002


Número de visualizações em 2017: 1911
Número de curtidas: 83
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (6)

muito comovente
Melhor que isso impossível!
Avatar do visitante

Cícero Alves · 20/08/2014, às 15h19

A organização dos versos na Antologia Poética © CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE é em dísticos, houve aí algum equívoco, ou o texto foi atualizado para a Antologia?

o nome de maria também é em minúsculo e em dísticos no original
Avatar do visitante

A Voz da Poesia · 17/06/2015, às 15h25

Cícero, agradecemos a sua contribuição e já fizemos a correção.
Avatar do visitante

A Voz da Poesia · 17/06/2015, às 15h31

Sim, Júlio. Foi feita a correção. Agradecemos, também, a sua contribuição!

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil