INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
À ADELAIDE AMARAL
À ATRIZ EUGÊNIA CÂMARA
A BAINHA DO PUNHAL
A BALADA DO DESESPERADO
À BEIRA DO ABISMO E DO INFINITO
A BOA VISTA
A CACHOEIRA
A CACHOEIRA DE PAULO AFONSO
A CANÇÃO DO AFRICANO
A CANOA FANTÁSTICA
À CAPELA DO ALMEIDA
A CESTINHA DE COSTURA
A CRIANÇA
A CRUZ DA ESTRADA
A D. JOANA
A DUAS FLORES
A EUGÊNIA CÂMARA
A EXMA. IAIÁ BRASÍLIA
A LUÍS
A MACIEL PINHEIRO
A MÃE DO CATIVO
A MEU IRMÃO GUILHERME DE CASTRO ALVES
A MINHA IRMÃ ADELAIDE
A ÓRFÃ NA SEPULTURA
A QUEIMADA
A SENZALA
A TARDE
A UM CORAÇÃO
A UMA ATRIZ
A UMA ESTRANGEIRA
A UMA TAÇA FEITA DE UM CRÂNIO HUMANO
A VIOLETA
A VISÃO DOS MORTOS
A VOLTA DA PRIMAVERA
ADEUS
ADEUS
ADEUS, MEU CANTO
ADORMECIDA
AHASVERUS E O GÊNIO
AMANTE
AMAR E SER AMADO
AMEMOS!
AMÉRICA
ANJO
ANTÍTESE
AO ATOR JOAQUIM AUGUSTO
AO DIA DOUS DE JULHO
AO DIA SETE DE SETEMBRO
AO DOIS DE JULHO
AO DOUS DE JULHO
AO NATALÍCIO DO MEU DIRETOR
AO ROMPER D'ALVA
AO SR. FURTADO COELHO
AO VIOLINISTA F. MONIZ BARRETO FILHO
AOS ESTUDANTES VOLUNTÁRIOS
AQUELA MÃO
AS DUAS ILHAS
AS TRÊS IRMÃS DO POETA
AS TREVAS
AVES DE ARRIBAÇÃO
BANDIDO NEGRO
BOA-NOITE
CANÇÃO DO BOÊMIO
CANÇÃO DO VIOLEIRO
CANÇÕES DE GOUNOD
CANSAÇO
CAPRICHO
CONFIDÊNCIA
CONSUELO
COUP D’ÉTRIER
CREPÚSCULO SERTANEJO
DALILA
DEPOIS DA LEITURA DE UM POEMA
DESESPERO
DESPERTAR PARA MORRER
DESTRUIÇÃO DE JERUSALÉM
DEUSA INCRUENTA
DIÁLOGO DOS ECOS
DURANTE UM TEMPORAL
É TARDE!
EM QUE PENSAS?
EPITÁFIO
ESTROFES DO SOLITÁRIO
EXORTAÇÃO
FADOS CONTRÁRIOS
FATALIDADE
FÉ, ESPERANÇA E CARIDADE
FRAGMENTO (AQUI S'INSCREVEM MIL NOMES)
GESSO E BRONZE
HEBRÉIA
HINO AO SONO
HINO PATRIÓTICO
HISTÓRIA DE UM CRIME (ÚLTIMO ABRAÇO / MÃE PENITENTE / O SEGREDO)
HORAS DE MARTÍRIO
HORAS DE SAUDADE
IMMENSIS ORBIBUS ANGUIS
IMPROVISO
JESUÍTAS
JESUÍTAS E FRADES
LONGE DE TI
LOUCURA DIVINA
LUCAS
LÚCIA
MANUELA - (CANTIGA DO RANCHO)
MARIA
MARTÍRIO
MATER DOLOROSA
MENINA E MOÇA
MEU SEGREDO
MOCIDADE E MORTE
MUDO E QUEDO
MURMÚRIOS DA TARDE
NA FONTE
NA MARGEM
NÃO QUERO OUTRO AMOR
NÃO SABES
NO "MEETING DU COMITÉ DU PAIN"
NO ÁLBUM DO ARTISTA LUÍS C. AMOÊDO
NO BARCO
NO CAMAROTE
NO MONTE
NOITE DE AMOR
NOITE DE MAIO
NOS CAMPOS
NUMA PÁGINA
O ADEUS DE TERESA
O BAILE NA FLOR
O BANDIDO NEGRO
O BANDOLIM DA DESGRAÇA
O CANTO DE BUG JARGAL
O CORAÇÃO
O DERRADEIRO AMOR DE BYRON
O FANTASMA E A CANÇÃO
O GONDOLEIRO DO AMOR
O HÓSPEDE
O LAÇO DE FITA
O LIVRO E A AMÉRICA
O NADADOR
O NAVIO NEGREIRO
O PÁSSARO E A FLOR
O POVO AO PODER
O SÃO FRANCISCO
O SÉCULO
O SIBARITA ROMANO
O SOL E O POVO
O TONEL DAS DANAIDES
O VIDENTE
O VOLUNTÁRIO DO SERTÃO
O VÔO DO GÊNIO
ODE AO DOUS DE JULHO
OITAVAS A NAPOLEÃO
ONDE ESTÁS?
OS ANJOS DA MEIA-NOITE
OS PERFUMES
OS TRÊS AMORES
PARTIDA DO MEU MESTRE DO CORAÇÃO
PEDRO IVO
PELAS SOMBRAS
PENSAMENTO DE AMOR
PENSO EM TI
PERGUNTAS E RESPOSTAS
PESADELO
PESADELO DE HUMAITÁ
POESIA E MENDICIDADE
POETA
PROMETEU
QUAL LEÃO
QUANDO EU MORRER...
QUEM DÁ AOS POBRES, EMPRESTA A DEUS
QUERES FLORES? QUERES CANTOS?
RECORDAÇÕES
REMORSOS
REZAS
SAUDAÇÃO A PALMARES
SE EU TE DISSESSE
SONETO
SONETOS
SONHO DA BOÊMIA
SUB TEGMINE FAGI
SÚPLICA
TIRANA
TRAGÉDIA NO LAR
TRÍPLICE DIADEMA
UM RAIO DE LUAR
UMA PÁGINA DE ESCOLA REALISTA
VERSOS DE UM VIAJANTE
VERSOS PARA MÚSICA
VIRGEM DOS ÚLTIMOS AMORES
VOZES D'ÁFRICA
 
:: SONETOS ::
 
ÚLTIMO FANTASMA
 
:: HOMENAGENS ::
 
CASTRO ALVES DO BRASIL
ENTREVISTA
RELATO DE UM JORNALISTA QUE ENTREVISTOU CASTRO ALVES
 
:: OUTROS TEXTOS ::
 
PRÓLOGO (ESPUMAS FLUTUANTES)
 
:: TRADUÇÕES ::
 
PERSEVERANDO
NO "MEETING DU COMITÉ DU PAIN"

Já que a terra estacou n'órbita imensa,
Já que tudo mentiu — a glória! A crença!
A liberdade! a cruz!
E o Sísifo dos séc'los — assombrado —
Viu rolar-lhe do dorso ensangüentado
O rochedo de luz...

Já que o amor transmudou-se em ódio acerbo,
Que a eloqüência — é o canhão, a bala — o verbo.
O ideal — o horror!
E nos fastos do século, os tiranos
Traçam co'a ferradura dos ulanos
O ciclo do terror,

Já que, igual ao florete de Gennaro,
Um sabre arranca do presente ignaro
Este letreiro — Luz —,
Já que a Glória recua (cousa horrenda),
E Átila vai de Washington na senda,
E Sisa após Jesus!

Já que a Rousseau sucede Machiavelo,
Já que a Europa de altar fez-se escabelo,
Da guerra meretriz,
Já que o sonho de Canning era falso,
Já que após abolir-se o cadafalso,
Crucificam Paris.

Já que é mentira a voz da Humanidade,
Já que riscam da Bíblia a Caridade,
E d’alma o coração...
E a noite da descrença desce feia
E, tropeçando em ossos, cambaleia
Dos povos a razão!...

...........................................

Filhos do Novo Mundo! Ergamos nós um grito
Que abafe dos canhões o horríssono rugir,
Em frente do oceano! Em frente do infinito
Em nome do progresso! Em nome do porvir.

Não deixemos, Hebreus, que a destra dos tiranos
Manche a arca ideal das nossas ilusões.
A herança do suor, vertido em dois mil anos,
Há de intacta chegar às novas gerações!

Nós, que somos a raça eleita do futuro,
O filho que o Senhor amou, qual Benjamim,
Que faremos de nós... Se é tudo falso, impuro,
Se é mentira - o Progresso! E o Erro não tem fim?

Não; clamemos bem alto à Europa, ao globo inteiro!
Gritemos liberdade em face da opressão!
Ao tirano dizei: Tu és um carniceiro!
És o crime de bronze! — escreva-se ao canhão!

Falemos de Justiça — em frente à Mortandade!
Falemos do Direito — ao gládio que reluz!
Se eles dizem — Rancor, dizei — Fraternidade!
Se erguem a meia lua, ergamos nós a Cruz!

Digamos à Criança — O Mestre ama esta idade!
Digamos à Velhice: — Honra às vossas cãs! —
Digamos à Miséria, à Fome e à Orfandade:
É vosso o nosso lar... Vós sois nossas irmãs.

Digamos a Strasburgo: "Mereces do Universo!"
Digamos... Não! Silêncio em frente de Paris...
O Amazonas que leve o nosso pranto imerso
À glória das Vestais! À herdeira das Judites.

...............................................

Ó França! Deste a luz que de teu ser jorrava!
Ó França! Acolhe agora em recompensa... O pão.
O Cristo no deserto os pães multiplicava,
Faça agora o milagre, ó França, o coração!

E, se acaso alta noite, em noite de invernada,
Enquanto no horizonte a chama lambe o ar,
Uma débil criança, esquálida e gelada,
Por ti, Pátria, encontrar abrigo, pão e lar...

Quando aquele inocente, a sós no campo escuro,
Abençoar de longe os brasileiros céus
Sabe que este menino — é o símbolo do futuro!
E aquela frágil mão... Oculta a mão de Deus...


©Castro Alves

Número de visualizações em 2017: 362
Número de curtidas: 40
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (1)

É Antonio Frederico de Castro Alves O menino Cecéu da Fazenda Cabaceiras. Muito obrigado por postar essa poesia, testemunho da solidariedade de Castro Alves às vítimas da injustiça, em qualquer parte. Quando a fome matava pessoas na França, principalmente crianças, após ser derrotada pela Alemanha, na batalha de Sedan, no século xix, ele, já bem doente, pouco antes de morrer, declamou em ato público, em Salvador, esses versos que até hoje nos emocionam. No próximo dia 6 de julho/2017 completam 146 anos de sua morte. Mas ele vive.

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil