A CIDADE DE RECIFE

Pátria do meu amor! Recife linda,
como te guarda o meu saudoso olhar!
Velas ao longe... Os coqueirais de Olinda,
e uma terra a nascer da água do mar...

Um céu de estrelas que entrevejo ainda.
Sob as pontes, o rio a se estirar...
Noites de lua... que saudade infinda...
brancas... que dão vontade de chorar...

Filho ingrato, parti... Mas nem um dia,
deixei de te lembrar, por mundo alheio,
onde me trouxe a glória fugidia.

Pátria, quando eu morrer, piedosa e boa,
dá que eu durma o meu sono no teu seio,
como um seio de Mãe que ama e perdoa...


© ADELMAR TAVARES
In Noite cheia de estrelas, 1925

Número de visualizações em 2017: 2019
Número de curtidas: 88
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (2)

muito profundo
Avatar do visitante

JOÃO CABRAL · 14/04/2018, às 20h09

BRILANTE SONETO, FEZ ALUSÃO AO MEU CEARÁ. QUE UM DIA EI VOLTAR LÁ.

Postar um novo comentário