INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE A POETA
 
RÁDIO DA POETA
 
:: POESIAS ::
 
(1º) PRIMEIRO MOTIVO DA ROSA
(2º) SEGUNDO MOTIVO DA ROSA
(3º) TERCEIRO MOTIVO DA ROSA
(4º) QUARTO MOTIVO DA ROSA
(5º) QUINTO MOTIVO DA ROSA
ABRIU-SE A JANELA
AMÉM
ASSOVIO
AUTO-RETRATO
BALADA DO SOLDADO BATISTA
CANÇÃO DE OUTONO
CANÇÃO DO AMOR-PERFEITO
CANÇÃO DO CARREIRO
CANÇÃO EXCÊNTRICA
CANÇÃO MÍNIMA
CANÇÃO [1]
CANÇÃO [2]
CANÇÃO [3]
CANÇÃO [4]
CANÇÃO [5]
CANÇÃO [6]
CANTAR GUAIADO
CANTEIROS
CÂNTICO - DIZE
CÂNTICO I - NÃO QUEIRAS TER PÁTRIA
CÂNTICO II - NÃO SEJAS O DE HOJE
CÂNTICO III - NÃO DIGAS ONDE ACABA O DIA
CÂNTICO IV - ADORMECE O TEU CORPO
CÂNTICO V - ESSE TEU CORPO
CÂNTICO VI - TU TENS UM MEDO
CÂNTICO VII - NÃO AMES
CÂNTICO VIII - NÃO DIGAS
CÂNTICO IX - OS TEUS OUVIDOS
CÂNTICO X - ESTE É O CAMINHO
CÂNTICO XI - VÊ, FORMARAM-SE TODAS AS ÁGUAS
CÂNTICO XII - NÃO FALES AS PALAVRAS DOS HOMENS
CÂNTICO XIII - RENOVA-TE
CÂNTICO XIV - ELES TE VIRÃO OFERECER O OURO
CÂNTICO XV - NÃO QUEIRAS SER
CÂNTICO XVI - TU OUVIRÁS ESTA LINGUAGEM
CÂNTICO XVII - PERGUNTARÃO PELA TUA ALMA
CÂNTICO XVIII - QUANDO OS HOMENS
CÂNTICO XIX - NÃO TEM MAIS LAR
CÂNTICO XX - NÃO DIGAS QUE ÉS DONO
CÂNTICO XXI - O TEU COMEÇO
CÂNTICO XXII - NÃO BUSQUES PARA LÁ
CÂNTICO XXIII - NÃO FAÇAS DE TI
CÂNTICO XXIV - NÃO DIGAS: ESTE QUE ME DEU CORPO
CÂNTICO XXV - SÊ O QUE RENUNCIA
CÂNTICO XXVI - O QUE TU VISTE AMARGO
DE LONGE TE HEI DE AMAR
DESENHO [1]
DESENHO [2]
DESPEDIDA [1]
DESPEDIDA [2]
ELEGIA A UMA PEQUENA BORBOLETA
EPIGRAMA
EPIGRAMA DO ESPELHO INFIEL
EPIGRAMA Nº 01
EPIGRAMA Nº 02
EPIGRAMA Nº 03
EPIGRAMA Nº 04
EPIGRAMA Nº 05
EPIGRAMA Nº 06
EPIGRAMA Nº 07
EPIGRAMA Nº 08
EPIGRAMA Nº 09
EPIGRAMA Nº 10
EPIGRAMA Nº 11
EPIGRAMA Nº 12
EPIGRAMA Nº 13
EPIGRAMA Nº 14
EPITÁFIO
EVELYN
EXCURSÃO
FALAI DE DEUS COM A CLAREZA
FIORAIA
GARGALHADA
LUA ADVERSA
MAR ABSOLUTO
MARCHA
MONÓLOGO
MOTIVO
MULHER AO ESPELHO
MURMÚRIO
NINGUÉM ME VENHA DAR VIDA
OS HOMENS GLORIOSOS
PARA ONDE É QUE VÃO OS VERSOS
PÁSSARO
PERSONAGEM
PERSPECTIVA
POSTAL
PRELÚDIO
QUADRAS
QUANDO MEU ROSTO CONTEMPLO
RECADO AOS AMIGOS DISTANTES
RECORDAÇÃO
REINVENÇÃO
RESPIRO TEU NOME
RETRATO
ROMANCE V OU DA DESTRUIÇÃO DE OURO PODRE
ROMANCE XXXI OU DE MAIS TROPEIROS
ROMANTISMO [QUEM TIVESSE UM AMOR]
ROMANTISMO [SEREMOS AINDA ROMâNTICOS]
SEM CORPO NENHUM
SERENATA [1]
SERENATA [2]
SERENATA [3]
SOLIDÃO
TEMA DE OS INCONFIDENTES [EXCERTOS]
TENTATIVA
TIMIDEZ
 
:: SONETOS ::
 
DEFRONTE DA JANELA EM QUE TRABALHO
ESPECTROS
EVOCAÇÃO
SONETO ANTIGO
 
:: PROSA POÉTICA ::
 
HISTÓRIA DE UMA LETRA
PRIMAVERA
 
:: CRÔNICAS ::
 
A ARTE DE SER FELIZ
CHUVA COM LEMBRANÇA
MARCHA

As ordens da madrugada
romperam por sobre os montes:
nosso caminho se alarga
sem campos verdes nem fontes.
Apenas o sol redondo
e alguma esmola de vento
quebram as formas do sono
com a idéia do movimento.

Vamos a passo e de longe;
entre nós dois anda o mundo,
com alguns vivos pela tona,
com alguns mortos pelo fundo.
As aves trazem mentiras
de países sem sofrimento.
Por mais que alargue as pupilas,
mais minha dúvida aumento.

Também não pretendo nada
senão ir andando à-toa,
como um número que se arma
e em seguida se esboroa,
- e cair no mesmo poço
de inércia e de esquecimento,
onde o fim do tempo soma
pedras, águas, pensamento.

Gosto da minha palavra
pelo sabor que lhe deste:
mesmo quando é linda, amarga
como qualquer fruto agreste.
Mesmo assim amarga, é tudo
que tenho, entre o sol e o vento:
meu vestido, minha música,
meu sonho e meu alimento.

Quando penso no teu rosto, (*)
fecho os olhos de saudade;
tenho visto muita coisa,
menos a felicidade.

Soltam-se os meus dedos tristes,
dos sonhos claros que invento.
Nem aquilo que imagino
já me dá contentamento.

Como tudo sempre acaba,
oxalá seja bem cedo!
A esperança que falava
tem lábios brancos de medo.
O horizonte corta a vida
isento de tudo, isento...
Não há lágrima nem grito:
apenas consentimento.

© CECÍLIA MEIRELES
In: Viagem, 1939

NOTAS:

1. Este poema teve (*) trecho adaptado e musicado pelo cantor e compositor Raimundo Fágner, com o título de "Canteiros" e lançado no CD "Manera Fru Fru, Manera: O Último Pau-de-Arara", de 1973. VEJA AQUI

2. A história polêmica da música "Canteiros" envolvendo Fagner e as filhas de Cecília Meireles. VEJA AQUI

Número de visualizações em 2017: 690
Número de curtidas: 52
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil