CHOVE

A chuva cai.
Os telhados estão molhados,
Os pingos escorrem pelas vidraças.
O céu está branco,
O tempo está novo.
A cidade lavada.
A tarde entardece,
Sem o ciciar das cigarras,
Sem o jubilar dos pássaros,
Sem o sol, sem o céu.
Chove.
A chuva chove molhada,
No teto dos guarda-chuvas.
Chove.
A chuva chove ligeira,
Nos nossos olhos e molha.
O vento venta ventado,
Nos vidros que se embalançam,
Nas plantas que se desdobram.
Chove nas praias desertas,
Chove no mar que está cinza,
Chove no asfalto negro,
Chove nos corações.
Chove em cada alma,
Em cada refúgio chove;
E quando me olhaste em mim,
Com os olhos que me seguiam,
Enquanto a chuva caía
No meu coração chovia
A chuva do teu olhar.


©Ana Cristina César
In livro Inéditos e Dispersos

Número de visualizações em 2017: 1732
Número de curtidas: 116
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (2)

Avatar do visitante

JOÃO CABRAL · 18/03/2017, às 14h30

NOTÁVEL POEMA, UM TANTO ENIGMÁTICO FEITO A POETA QUE ESCREVEU.
Como amo esse poema, essa garotinha tinha treze anos na época...

Postar um novo comentário