INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A BORBOLETA AZUL
A ESPADA
A FLOR DO DIABO
A IDÉIA AO INFINITO
A IMPRENSA
A IRONIA DOS VERMES
À SOMBRA ESPESSA DE UM ÁLAMO
ABELHAS
ADALZIZA
AMOR!...
ANGELUS...
ANJO GABRIEL
ANTÍFONA
AO AR LIVRE
AO DECÊNIO DE CASTRO ALVES
AOS RELÂMPAGOS SULFÚREOS
ARTE
AS DEVOTAS
ASAS PERDIDAS
AVANTE
AWAY!
BEIJOS
BESOUROS...
BRUMOSA
CAMPESINAS (6)
CAMPESINAS (8)
CANÇÃO DO BÊBADO
CANÇÃO NEGRA
CASTELÃ
CAVEIRA
CLARÕES APAGADOS
COMO FORTES GARGALHADAS
COMO UM ASSOMBRO DE ASSOMBROS
COMO UM CISNE
CRIANÇAS NEGRAS
DA BRUMA PELOS PAÍSES
DA IDÉIA NOS MARES JÔNIOS
DA LUA AOS RAIOS PRATEADOS
DA SENZALA...
DE CLAQUE, CASACA E LUVA
DEIXAI QUE A MINH'ALMA ESCASSA
DESMORONAMENTO
DIANTE DO MAR
ÉBRIOS E CEGOS
EMBORA EU NÃO TENHA LOUROS
ENQUANTO ESTE SANGUE FERVE
ENTRE LUZ E SOMBRA
ENVELHECER
ESQUECIMENTO
ESTOURE COMO O CHAMPANHE
FILETES
FILETES [2]
FLOR PERIGOSA
FONTE DE AMOR
FRÊMITOS
GIULIETTA DIONESI
GRITO DE GUERRA
GUSLA DA SAUDADE
INÊS
INEXORÁVEL
JULIETA DOS SANTOS
LEVANTEM ESTA BANDEIRA
LÍRIO ASTRAL
LITANIA DOS POBRES
LUA
LUAR DE LÁGRIMAS
MARCHE AUX FLAMBEAUX
MENDIGOS
MERECE O BOM DA VIDA
MEU FILHO
MEUS ESPLÊNDIDOS DESEJOS
MONJA NEGRA
MORENA DOS OLHOS PRETOS
MÚSICA DA MORTE...
NA VILA
NAS EXPLOSÕES DE BONS RISOS
NAUFRÁGIOS
NOS CAMPOS
NUNCA SE CALA O CALLADO
Ó ADALZIZA DOS SONHOS
Ó ALZIRA, ALZIRA, ALZIRA
O BOTÃO DE ROSA
Ó CINTILANTE QUIQUIA
O DUQUE
Ó FLORA, Ó NINFA DAS ROSAS
O ÓRGÃO
O SOL E O CORAÇÃO
OLHARES
OLHOS DO SONHO
OLHOS PRETOS, SONHADORES
OS MONGES
OS RISONHOS
PANDEMONIUM
PAPOULA
PARANAGUADAS
PARECE UM CÉU ESTRELADO
PIEDOSA
PIRUETAS
POESIA
PRESSAGO
QUANDO ELA ESTÁ DE COLETE
QUANDO ESTÁS DE LAÇAROTES
QUESTÃO BROCARDO
RECOLTA DE ESTRELAS
RECORDA!
REGINA COELI
RENASCIMENTO
RÉQUIEM
RESSURREIÇÃO
ROSA
SAPO HUMANO
SAUDAÇÃO
SAUDAÇÃO [2]
SE ESTALA A ESTROFE DE FOGO
SEMPRE
SER PÁSSARO
SETE DE SETEMBRO
SGANARELO
SMORZANDO
SONATA
SONETO [DO SOM, DA LUZ ENTRE OS JOVIAIS DUETOS]
TÉDIO
TEUS OLHOS
TEUS OLHOS BELOS POR DENTRO
TRÊS PENSAMENTOS
TRIOLÉ PEGA ESTES ZOTES
TRISTE [2]
TRISTEZA DO INFINITO
TUBERCULOSA
VELHO VENTO
VERSOS
VERSOS À INFÂNCIA
VESPERAL
VIOLÕES QUE CHORAM...
ZULMIRA DOS MEUS AMORES
 
:: SONETOS ::
 
(1) CABELOS
(2) OLHOS
(3) BOCA
(4) SEIOS
(5) MÃOS
(6) PÉS
(7) CORPO
25 DE MARÇO
A DOR
A FONTE DE ÁGUAS CRISTALINAS
A FREIRA MORTA
A PARTIDA
A PERFEIÇÃO
À REVOLTA
ACROBATA DA DOR
AFRA
ÁGUA-FORTE
ALDA
ALELUIA! ALELUIA!
ALMA ANTIGA
ALMA QUE CHORA
ALUCINAÇÃO
AMBOS
AMOR
ANDA-ME A ALMA
AOS MORTOS
APARIÇÃO
APÓS O NOIVADO
AS ESTRELAS
ASPIRAÇÃO
AURÉOLA EQUATORIAL
AUSÊNCIA MISTERIOSA
AVE! MARIA...
BELEZA MORTA
BOCA IMORTAL
BRAÇOS
BRANCAS APARIÇÕES
CAMINHO DA GLÓRIA
CAMPESINAS (1)
CAMPESINAS (2)
CAMPESINAS (3)
CAMPESINAS (4)
CAMPESINAS (5)
CAMPESINAS (7)
CAMPESINAS (9)
CANÇÃO DA FORMOSURA
CANÇÃO DE ABRIL
CARNAL E MÍSTICO
CEGA
CELESTE [1]
CELESTE [2]
CHUVA DE OURO
CLAMANDO...
CLARO E ESCURO
COGITAÇÃO
COLAR DE PÉROLAS
CONCILIAÇÃO
CRENÇA
CRISTAIS
CRISTO
CRISTO DE BRONZE
CRISTO E A ADÚLTERA
DANÇA DO VENTRE
DE ALMA EM ALMA
DECADENTES
DELÍRIO DO SOM
DEUSA SERENA
DILACERAÇÕES
DILEMA
DIVINA
DOCE ABISMO
DOENTE
DOENTE [VARIAÇÃO]
DORMINDO...
DUPLA VIA-LÁCTEA
EM SONHOS...
ENCARNAÇÃO
ENCLAUSURADA
ENLEVO
ENTRE CHAMAS...
ERMIDA
ESCÁRNIO PERFUMADO
ESCRAVOCRATAS
ESPIRITUALISMO
ESTAS RISADAS
ETERNO SONHO
EXILADA
ÊXTASE
ÊXTASE DE MÁRMORE
FALANDO AO CÉU
FLOR DO MAR
FLORES DA LUA
FLORIPES
FOEDERIS ARCA
FRUTAS DE MAIO
FRUTAS E FLORES
GLÓRIA
GLÓRIAS ANTIGAS
GLORIOSA
GRANDEZA OCULTA
GUERRA JUNQUEIRO
HARPAS ETERNAS
HORAS DE SOMBRA
HÓSTIAS
HUMILDADE SECRETA
IDEAL COMUM
IDÉIA-MÃE
ILUSÕES MORTAS
IMORTAL ATITUDE
IMPASSÍVEL
INCENSOS
INVERNO
IRONIA DE LÁGRIMAS
IRRADIAÇÕES
JUDIA
LEMBRANÇAS APAGADAS
LÉSBIA
LIRIAL
LUAR [1]
LUAR [2]
LUBRICIDADE
LUZ DOLOROSA...
MADONA DA TRISTEZA
MÃE E FILHO
MAGNÓLIA DOS TRÓPICOS
MAJESTADE CAÍDA
MANHÃ
METAMORFOSE
METEMPSICOSE
MOCIDADE
MONJA
MÚMIA
MÚSICA MISTERIOSA...
NA FONTE
NA MAZURKA
NATUREZA
NERAH
NINHO ABANDONADO
NO CAMPO
NO EGITO
NOIVA DA AGONIA
NOIVA E TRISTE
O ANJO DA REDENÇÃO
O CEGO DO HARMONIUM
O CHALÉ
O FINAL DO GUARANI
O GRANDE MOMENTO
O MAR
O SEU BONÉ
O SONHO DO ASTRÓLOGO
OCASOS
OISEAUX DE PASSAGE
OLAVO BILAC
OS DOIS
OS MORTOS
PÁSSARO MARINHO
PIEDADE
PLANGÊNCIA DA TARDE
PLENILÚNIO
POST MORTEM
PRESA DO ÓDIO
PRIMAVERA A FORA
PRIMEIRA COMUNHÃO
PRODÍGIO!
PSICOLOGIA HUMANA
QUANDO EU PARTIR
QUANDO SERÁ?!
REBELADO
RECORDAÇÃO
REGENERADA
REPOUSO
RÉQUIEM DO SOL
REQUIESCAT...
RIR!
RISADAS
ROMA PAGÃ
ROSA NEGRA
SALVE! RAINHA!...
SATÃ
SATANISMO
SEM ESPERANÇA
SEMPRE E... SEMPRE
SENSIBILIDADE
SENTIMENTOS CARNAIS
SERPENTE DE CABELOS
SIDERAÇÕES
SÍMILES
SINFONIAS DO OCASO
SONETO [ALÇANDO O LIVRO COLOSSAL ARDENTE]
SONETO [AO ESTRÍDULO SOLENE DOS BRAVOS]
SONETO [CHEGOU ENFIM, E O DESEMBARQUE DELA]
SONETO [DA MUNDANA LIDA, EIS QUE CANSADO]
SONETO [DEIXAI QUE DESTE ÁLBUM NA FOLHA DELICADA]
SONETO [DIATRIBE]
SONETO [DIEU A FAIT LA MER, LES OISEAUX, LES CIEUX]
SONETO [DIZEM QUE A ARTE É A CLÂMIDE DE IDÉIA]
SONETO [É DELICADA, SUAVE, VAPOROSA]
SONETO [É UM PENSAR FLAMEJADOR, DARDÔNICO]
SONETO [HÁ VULTOS TAMANHOS QUE NÃO]
SONETO [IMAGINAI UM MISTO DE ALVORADAS]
SONETO [LÁGRIMAS DA AURORA, POEMAS CRISTALINOS]
SONETO [PARECE QUE NASCESTE, OH! PÁLIDA DIVINA]
SONETO [QUANDO APARECES, FICA-SE IMPASSÍVEL]
SONETO [ROMPEU-SE O DENSO VÉU DO ATROZ MARASMO]
SONETO [SENHOR DE NOBRE ALMA, TÃO]
SONETO [UM DIA GUTTEMBERG COM A ALMA AOS CÉUS]
SONETO [VÃO-SE DE TODOS OS PARDACENTOS NIMBOS]
SONHADOR
SONHO BRANCO
SPLEEN DE DEUSES
SUPREMO ANSEIO
SUPREMO DESEJO
SURDINAS
TITÃS NEGROS
TO SLEEP, TO DREAM
TORRE DE OURO
TORTURA ETERNA
TRISTE
TULIPA REAL
VANDA
VELHAS TRISTEZAS
VERÔNICA
VIDA OBSCURA
VIOLINOS
VISÃO
VISÃO DA MORTE
VISÃO GUIADORA
VISÃO MEDIEVA
VOZ FUGITIVA
VOZINHA
A IRONIA DOS VERMES


Eu imagino que és uma princesa
Morta na flor da castidade branca...
Que teu cortejo sepulcral arranca
Por tanta pompa espasmos de surpresa.

Que tu vais por um coche conduzida,
Por esquadrões flamívomos guardada,
Como carnal e virgem madrugada,
Bela das belas, sem mais sol, sem vida.

Que da Corte os luzidos Dignitários
Com seus aspectos marciais, bizarros,
Seguem-te após nos fagulhantes, carros
E a excelsa cauda dos cortejos vários.

Que a tropa toda forma nos caminhos
Por onde irás passar indiferente;
Que há no semblante vão de toda a gente
Curiosidades que parecem vinhos.

Que os potentes canhões roucos atroam
O espaço claro de uma tarde suave,
E que tu vais, Lírio dos lírios e ave
Do Amor, por entre os sons que te coroam.

Que nas flores, nas sedas, nos veludos,
E nos cristais do féretro radiante
Nos damascos do Oriente, na faiscante
Onda de tudo há longos prantos mudos.

Que do silêncio azul da imensidade,
Do perdão infinito dos Espaços
Tudo te dá os beijos e os abraços
Do seu adeus a tua Majestade.

Que de todas as coisas como Verbo
De saudades sem termo e de amargura,
Sai um adeus a tua formosura,
Num desolado sentimento acerbo.

Que o teu corpo de luz, teu corpo amado,
Envolto em finas e cheirosas vestes,
Sob o carinho das Mansões celestes
Ficará pela Morte encarcerado.

Que o teu séquito é tal, tal a coorte,
Tal o sol dos brasões, por toda a parte,
Que em vez da horrenda Morte suplantar-te
Crê-se que és tu que suplantaste a Morte.

Mas dos faustos mortais a regia trompa,
Os grandes ouropéis, a real Quermesse,
Ah! tudo, tudo proclamar parece
Que hás de afinal apodrecer com pompa.

Como que foram feitos de luxúria
E gozo ideal teus funerais luxuosos
Para que os vermes, pouco escrupulosos,
Não te devorem com plebéia fúria.

Para que eles ao menos vendo as belas
Magnificências do teu corpo exausto
Mordam-te com cuidados e cautelas
Para o teu corpo apodrecer com fausto.

Para que possa apodrecer nas frias
Geleiras sepulcrais d′esquecimentos,
Nos mais augustos apodrecimentos,
Entre constelações e pedrarias.

Mas ah! quanta ironia atroz, funérea,
Imaginária e cândida Princesa:
És igual a uma simples camponesa
Nos apodrecimentos da Matéria!

©CRUZ E SOUZA
In Faróis, 1900

Número de visualizações em 2017: 278
Número de curtidas: 17
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil