INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
 
:: POESIAS ::
 
A AURORA LOIRA QUE ME GUIAVA OS PASSOS (XXXVI)
A CABEÇA DE CORVO (II)
A CATEDRAL
A CLÁUDIO MANUEL DA COSTA (LXXIV)
A DESVENTURA NA MINH 'ALMA É TANTA (L)
À MEIA-NOITE
A PASSIFLORA (XII)
AI DOS QUE VIVEM, SE NÃO FORA O SONO! (VIII)
ALQUIMISTA DA MORTE
AO POENTE
ÁRIA DO LUAR (XIV)
ÁRIA DOS OLHOS (III)
ÁRIA FÚNEBRE
ASCENSÃO DO POETA
BATE-ME O CORAÇÃO DENTRO DO POBRE PEITO
BONS TEMPOS
CANÇÃO (XVV)
CANTEM OUTROS A CLARA COR VIRENTE (XLI)
CARNAVAL! CARNAVAL! (XXIV)
CAVALEIRO FERIDO (III)
CAVALEIRO FERIDO (IX)
CELESTE... É ASSIM, DIVINA, QUE TE CHAMAS (II)
COMO SE MOÇO E NÃO BEM VELHO EU FOSSE (LXXV)
CRENÇA E DESCRENÇA
DEUS É A LUZ CELESTIAL QUE OS ASTROS UNGE E VESTE (XXIV)
DOIS LÍRIOS
DONA CELESTE
DUETO DE AMOR
É NECESSÁRIO AMAR QUEM NÃO AMA NA VIDA? (IV)
ENCONTREI-TE. ERA O MÊS... (III)
ERA NOITE DE LUA NA MINHA ALMA (XVIII)
ESTÃO MORTAS AS MÃOS DAQUELA DONA (XXXII)
FILHOS (L)
GRANDES OLHOS CRISTÃOS
HIRTA E BRANCA... REPOUSA A SUA ÁUREA CABEÇA (X)
IMMACULATA (XX)
INITIUM
ISMÁLIA (XXXIII)
MÃOS QUE OS LÍRIOS INVEJAM, MÃOS ELEITAS
MEUS PAIS
NA SOLIDÃO SUPREMA DOS CONVENTOS (I)
NÁUFRAGO (I)
NOITE DE LUAR (XII)
NOIVA (IV)
NOVA PRIMAVERA (XXVI)
O AMOR TEM VOZES MISTERIOSAS
O CACHIMBO (III)
O CÉU É SEMPRE O MESMO: AS NOSSAS ALMAS (XL)
O LEITO
O SINO
OCASO
OS BÁRBAROS
OS SONHOS (XIX)
OSSA MEA (II)
OUVINDO UM TRIO DE VIOLINO, VIOLETA E VIOLONCELO (IV)
PÁGINAS DO TÚMULO
PERISTYLUM
PIEDOSA (XIV)
POETAS EXILADOS (XXVIII)
PULVIS (XXXVII)
QUANDO CHEGASTE, OS VIOLONCELOS (VIII)
RIMANCE DE DONA CELESTE
ROSAS
SALMOS DA NOITE (III)
SALMOS DA NOITE (XIV)
SANTO GRAAL (IX)
SANTOS TRAÍDOS
SE EU A VISSE DESCER DA ESCADARIA (XXXV)
SERENADA (XVII)
SETE DAMAS
SONETO DA DEFUNTA FORMOSA
SONETO DA VELHICE
SONETO DA VOZ
SONETO DAS MÃOS
SONETO DE OFÉLIA
SONETO DO AROMA
SONETO DO DEFUNTO
SONETO DO MANTO
SONETO DO OLHAR
SONETO [APESAR DO TEU FUNDO OLHAR AGONIZANTE]
SONETO [QUANDO EU DISSER ADEUS]
SUCCUBUS (VI)
TEMA SECULAR
TENTAÇÕES MEDIEVAIS
ÚLTIMOS VERSOS
VAGA EM REDOR DE TI UMA FULGÊNCIA
VAGUEIAM SUAVEMENTE OS TEUS OLHARES (IV)
VISÃO INFERNAL
XXV [O CINAMOMO FLORESCE]
 
:: HOMENAGENS ::
 
ROSAS [IVO BARROSO]
CANTEM OUTROS A CLARA COR VIRENTE (XLI)


Cantem outros a clara cor virente
Do bosque em flor e a luz do dia eterno...
Envoltos nos clarões fulvos do oriente,
Cantem a primavera: eu canto o inverno.

Para muitos o imoto céu clemente
É um manto de carinho suave e terno:
Cantam a vida, e nenhum deles sente
Que decantando vai o próprio inferno.

Cantam esta mansão, onde entre prantos
Cada um espera o sepulcral punhado
De úmido pó que há de abafar-lhe os cantos...

Cada um de nós é a bússola sem norte.
Sempre o presente pior do que o passado.
Cantem outros a vida: eu canto a morte...

© ALPHONSUS DE GUIMARAENS

Número de visualizações em 2017: 905
Número de curtidas: 141
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil