CAVALEIRO FERIDO (III)


O pesar de não tê-la encontrado mais cedo,
De não ter visto o céu quando havia esperança
Som febril, ástreo som da alma de um citaredo,
Por que vos não ouvi quando ainda era criança?

Quantas vezes o luar me sorria em segredo,
Quantas vezes a tarde era serena e mansa...
E o horizonte ante mim ressurgia tão ledo,
Que eu sonhava: "Mas que anjo entre as nuvens avança?"

Hoje, depois de velho, e tão velho, mais velho
Que uma figura antiga e doce do Evangelho,
É que entre astros, trilhado o azul claro, a encontrei...

E pude, contemplando o sol da sua face,
Atirar a seus pés para que ela os pisasse,
Meus andrajos de pobre e meu manto de rei...

© ALPHONSUS DE GUIMARAENS
In Os dias do Amor,

Número de visualizações em 2017: 597
Número de curtidas: 93
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (1)

UM BELO EFORTE SONETO ALEXANDRINO COM UMA LOGOPEIA FANTASTICA.

Postar um novo comentário