INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | NOTÍCIAS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
 
:: POESIAS ::
 
A PONTE
A TI REGRESSO, MAR, AO GOSTO FORTE
ADIVINHA
ÁGUA AZUL
ÁGUA QUE À ÁGUA TORNA
AINDA AGORA É MANHÃ
AMANHECER
ANIVERSÁRIO
APRENDAMOS AMOR COM ESTES MONTES
APRENDAMOS O RITO
APROXIMAÇÃO
ARTE DE AMAR
AS PALAVRAS DE AMOR
AS PALAVRAS SÃO NOVAS
ASPA
BALADA
BALANÇA
CARTA DE JOSÉ A JOSÉ
CIRCO
CONTRACANTO
CORPO
CORPO-MUNDO
DE PAZ E DE GUERRA
DECLARAÇÃO
DISSERAM QUE HAVIA SOL
DIZ TU POR MIM, SILÊNCIO
DULCINEIA
E SE VIER QUE TRAGA O CORAÇÃO
É TÃO FUNDO O SILÊNCIO
ELEGIA À MODA ANTIGA
ELOQUÊNCIA
EM VIOLINO FADO
ENIGMA
EPITÁFIO PARA LUÍS DE CAMÕES
ERGO UMA ROSA E TUDO SE ILUMINA
ESPAÇO CURVO E FINITO
ESQUEÇAMOS AS PALAVRAS, AS PALAVRAS
ESTUDO DE NU
FIM E RECOMEÇO
FÍSICA
FORJA
HÁ-DE HAVER UMA COR POR DESCOBRIR
HORA
INTEGRAL
INTIMIDADE
INVENTÁRIO
JOGO DO LENÇO
LABIRINTO
MADRIGAL
METÁFORA
MITOLOGIA
NA ILHA POR VEZES HABITADA
NÃO ME PEÇAM RAZÕES, QUE NÃO AS TENHO
NESTA ESQUINA DO TEMPO É QUE TE ENCONTRO
NO SILÊNCIO DOS OLHOS
NO TEU OMBRO POUSADA A MINHA MÃO
NUM REPENTE, NÃO ANDO, E NUM REPENTE
O POEMA É UM CUBO DE GRANITO
O PRIMEIRO POEMA
O TANQUE
OBSTINAÇÃO
OCEANOGRAFIA
ONDE
ONDE A SOMBRA DE TI, O MEU PERFIL
PASSADO, PRESENTE, FUTURO
PASSO NUM GESTO QUE EU SEI
PEQUENO COSMOS
POEMA A BOCA FECHADA
POEMA À BOCA FECHADA
POEMA PARA LUÍS DE CAMÕES
POEMA SECO
POENTE
POIS O TEMPO NÃO PÁRA, NEM IMPORTA
PRAIA
PROCESSO
QUESTÃO DE PALAVRAS
RECEITA
RECORTO A MINHA SOMBRA DA PAREDE
RETRATO DO POETA QUANDO JOVEM
RITUAL
SALMO 136
SCIENCE FICTION I
SCIENCE FICTION II
SE NÃO TENHO OUTRA VOZ QUE ME DESDOBRE
TAXIDERMA OU POETICAMENTE HIPÓCRITA
TEU CORPO DE TERRA E ÁGUA
VENHAM ENFIM
VENHO DE LONGE, LONGE, E CANTO SURDAMENTE
VERTIGEM
VOTO
ÁGUA AZUL


Altos segredos escondem dentro de água
O reverso da carne, corpo ainda.
Como um punho fechado ou um bastão,
Abro o líquido azul, a espuma branca,
E por fundos de areia e madrepérola,
Desço o véu sobre os olhos assombrados.

(Na medida do gesto, a largueza do mar
E a concha do suspiro que se enrola.)

Vem a onda de longe, e foi um espasmo,
Vem o salto na pedra, outro grito:
Depois a água azul desvenda as milhas,
Enquanto um longo, e longo, e branco peixe
Desce ao fundo do mar onde nascem as ilhas.


© JOSé SARAMAGO
In Provavelmente Alegria, 1987

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil