INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A MINHA IRMÃ
ADORMECIDA
TU MOÇA, EU QUASE VELHO
A FONTE E A FLOR
A INVENÇÃO DO DIABO
A PARTIDA DA MONÇÃO
A TERNURA DO MAR
A VOZ DO SINO I
A VOZ DO SINO II
CANTIGAS PRAIANAS II
CANTIGAS PRAIANAS III
CANTIGAS PRAIANAS IV
CANTIGAS PRAIANAS IX
CANTIGAS PRAIANAS V
CANTIGAS PRAIANAS VI
CANTIGAS PRAIANAS VII
CANTIGAS PRAIANAS VIII
CARTAS A V. S.
DA CARTEIRA DE UM DOIDO
DE MANHÃ I
DE MANHÃ II
DE MANHÃ III
DESILUDIDA
DESLUMBRAMENTO
FANTASIAS DO LUAR
FOLHA SOLTA [NãO ME CULPEIS A MIM DE AMAR-VOS TANTO]
FOLHAS SOLTAS I [ONTEM, HOJE, AMANHã... COMO SIMBOLIZAR]
FOLHAS SOLTAS II [NEM Só O OLHAR DOS OLHOS DE QUEM AMA]
FRAGMENTOS DA "ARTE DE AMAR" I [DIZER MAL DAS MULHERES é COSTUME]
FRAGMENTOS DA "ARTE DE AMAR" II [OFENDI-TE... E, DEPOIS, VEJO-TE HUMILDEMENTE]
FRAGMENTOS DA "ARTE DE AMAR" III [NEM MESMO COM UMA FLOR...]
FRAGMENTOS DA "ARTE DE AMAR" IV [SE A TUA AMANTE é BELA]
FUGINDO AO CATIVEIRO
HORAS DE AMOR
LEMBRA! DIZ O PASSADO
MANHÃ DE SOL
MENINA E MOÇA
NO MAR LARGO
O DIA SEGUINTE DO AMOR
OLHOS VERDES
OMNIA VANITAS
ORAÇÃO PAGÃ
PALAVRAS AO MAR
PEQUENINO MORTO
PRIMEIRA SOMBRA
SAUDADE
SERENATA
SONHO PÓSTUMO I
SONHO PÓSTUMO II
SONHO PÓSTUMO III
SONHO PÓSTUMO IV
SONHO PÓSTUMO V
SONHO PÓSTUMO VI
SUGESTÕES DO CREPÚSCULO I
SUGESTÕES DO CREPÚSCULO II
SUGESTÕES DO CREPÚSCULO III
SUGESTÕES DO CREPÚSCULO IV
TROVAS
ÚLTIMA CONFIDÊNCIA
 
:: SONETOS ::
 
NO TEU ANIVERSÁRIO
A UM POETA MOÇO
CORRIDA DE AMOR
VELHO TEMA I
VELHO TEMA II
VELHO TEMA III
VELHO TEMA IV
VELHO TEMA V
A FONTE E A FLOR

V

"Deixa-me, fonte!" Dizia
A flor, tonta de terror.
E a fonte, sonora e fria
Cantava, levando a flor.

"Deixa-me, deixa-me, fonte!"
Dizia a flor a chorar:
"Eu fui nascida no monte...
"Não me leves para o mar."

E a fonte, rápida e fria,
Com um sussurro zombador,
Por sobre a areia corria,
Corria levando a flor.

"Ai, balanços do meu galho,
"Balanços do berço meu;
"Ai, claras gotas de orvalho
"Caídas do azul do céu!..."

Chorava a flor, e gemia,
Branca, branca de terror.
E a fonte, sonora e fria,
Rolava, levando a flor.

"Adeus, sombra das ramadas,
"Cantigas do rouxinol;
"Ai, festa das madrugadas,
"Doçuras do pôr-do-sol;

"Carícias das brisas leves
"Que abrem rasgões de luar...
"Fonte, fonte, não me leves,
"Não me leves para o mar!"

As correntezas da vida
E os restos do meu amor
Resvalam numa descida
Como a da fonte e da flor...

©VICENTE DE CARVALHO
In Rosa, Rosa de Amor, 1923

FONTE(S) DO(S) ÁUDIO(S):

Declamadora: Rita de Cássia
Arquivo de áudio gentilmente cedido à Voz da Poesia
© Todos os direitos reservados.

Número de visualizações em 2017: 7111
Número de curtidas: 382
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (67)

Gosto muito desta poesia que conheci no ginásio em 1977. Nunca mais esqueci.
Esta poesia é belíssima, eu a conheço por meio de música que minha mãe canta, não sabia que era do grande Vicente de Carvalho. O cara é bem contundente em expressar a verdade da vida de forma tão doce como este poema da Fonte e a Flor.
desde que vi esta poesia, quanto lecionava o 2º ano primário em 79, nunca mais esqueci, há muita estava a procura mas só agora conseguir
Gosto muito desta poesia,Desde que estudava o primário me apaixonei por ela e hoje com 59 anos ainda amo esta poesia pois a mesma mexe muito comigo !!!!
Avatar do visitante

TÂNIA CAMPOS BORGES · 02/07/2014, às 02h53

Era criança quando me apaixonei pela primeira vez. E foi por essa poesia que li no ¨ Mundo da Criança¨, presente de minha mãe. Levei um bom tempo impressionada... Não conseguia tira-la da cabeça, mas nunca do coração. TÂNIA CAMPOS BORDES, Ipiaú - Ba.

eu conheci um caroto

Minha mãe com 71 anos de idade ainda se lembra desta poesia e a recita prá gente, muito linda e mais linda ainda é vê-la recitando esta poesia com a maior alegria...e isto ficará bem presente em nossas vidas!

Aprendi quando criança em um livro didático que não me lembro do nonme! Eu sofria por causa da flor! Grande poeta.

esta poesia e linda,jamais quem conhece esquecerás.
De tão linda que é esta poesia, estamos ensaiando para declamá-la no aniversário de 41 anos de casamento de meus sogros.
Avatar do visitante

Lucineide Bezerra · 27/12/2014, às 20h02

Por muito procurar no google enfim encontrei a mais linda poesia que ouvi e li na minha infância; eu chorava e sofria como a flor. Nunca esquecerei!
Avatar do visitante

Israel Cassucci · 31/12/2014, às 22h35

Na verdade, já tinha ouvido meu pai declamá-la antes, mas nunca prestei a devida atenção. Ao saber que Vicente foi um poeta Parnasianista, minha interpretação da poesia mudou a posição do sujeito, mudou a posição o protagonista da história (na verdade, são dois protagonistas: a fonte e a flor; a flor seria um personagem raso enquanto a fonte apresenta-se como um personagem profundo, um anti-herói - daí a transição do romantismo para o realismo) O anti-herói, em uma possível interpretação, acaba vencendo, ou seja, o romantismo, representado pela flor, é levado pela fonte que representa a vida - que não é nada romântica, segundo uma visão mais realista.
Avatar do visitante

Israel Cassucci · 31/12/2014, às 22h43

Infeliz (ou felizmente) nossos sonhos (idealismo/romantismo) acabam sendo levado pela correnteza (realista) da vida. Se não fosse pela rima e pela preocupação métrica do poema, poderíamos chamá-lo de pré-moderno.
Avatar do visitante

Israel Cassucci · 31/12/2014, às 22h44

Belíssimo poema!!!
que lamento : . . . fonte, fonte, não me leves para o mar . . .
adorei esse poema muito lindo ,li no livro :"Meu Pé de Laranja Lima
amei esse poema !SHOW<3
Avatar do visitante

SOLANGE S. BLANCH · 07/09/2015, às 01h48

Aprendi com minha mãe quando eramos, eu e meu irmão, crianças. Meu irmão sempre chorava quando ela declamava.
Avatar do visitante

ROSANGELA OLIVEIRA · 08/09/2015, às 17h51

É linda, me lembra a infância.
Interessante, conheci esta poesiA em 1968, ficou gravada em minha memória. E hoje sou professora e trabalho figuras de linguagem usando esta poesia. Muito linda!
Avatar do visitante

Erison Lopes · 04/10/2015, às 13h48

Essa poesia fazia parte do meu livro de portugues adotado naquela epoca na escola onde eu fazia o Ginasio . linda... me emocionava sempre que lia até hoje... sinto saudades, piedades, tristezas, alegrias do que vivi nos tempos passados. Muito lindo. É muita sensibilidade.
Avatar do visitante

CELSO CORREA LARA · 19/10/2015, às 17h16

Essa poesia nos remete ao passado.......as carteiras do grupo escolar...........Neste mundo que estamos vivendo ler essa poesia nos alegra um pouco de lembrar das nossas escolas de jovens......
Me permitam, primeiro agradecer ao GOOGLE por me proporcionar momentos de tanta alegrias e saudades mil. Muito obrigado. Me deliciei de novo com "A fonte e a Flor" e com "Plutão" Que felicidade.
Belíssima. Foi o primeiro poema de Vicente de Carvalho que eu li, em 1965. Virei fã. "Poemas e Canções" é, em minha opinião, o mais belo livro de poesias da nossa língua
Avatar do visitante

marcio jose angelo · 17/11/2015, às 20h12

aprendi esta poesia aos sete anos de idade hoje aos 46 anos de idade ainda me lembro dela.e como uma ponte que me liga a minha infancia.
Avatar do visitante

Edna S. F.Silvestre · 19/11/2015, às 21h46

Eu adoro esta poesia. É muito linda, mas também, triste. Adorava recitar nas aulas de português.
O lamento inconsolável da flor, arrastada pela correnteza do ribeiro que a conduz a um destino inimaginado (um sombrio mar de infinita grandeza que a flor sempre ouvira falar tornar-se-á seu sepulcro?) Ou será que apenas a uma experiência de vida desconhecida pela flor, aprisionada à margem do ribeiro?
conheço esta poesia do meu tempo de primario anos 76
linda poesia, faz recordar minha infancia
Avatar do visitante

Fatima do Rosario Silva · 08/01/2016, às 17h33

Minha mãe com 91 anos, declamou a poesia para eu ouvir. Foi emocionante. 08.01.2016.

A versão cantada eu não conhecia :) https://www.youtube.com/watch?v=-bN7lynzx5g

E ainda tem essa na versão ópera www.youtube.com/watch?v=2bnv76vM14A

Avatar do visitante

Marina Morol · 09/01/2016, às 22h56

Estudei essa poesia no segundo ano primário,isso lá pelos idos de 1963 por aí,nunca mais esqueci.É mto linda.Qdo fazíamos a leitura dela em classe,eu dava asas a imaginação e vivia a poesia.Saudades!
Avatar do visitante

Lourdes Figueirêdo · 19/01/2016, às 17h12

Sou apaixonada pelo poema A FONTE E A FLOR.Dentro dele está a poesia verdadeira, a gente sente o sofrimento da flor, é maravilhoso!......
ESTA POESIA EU TINHA DE 9 A 10 ANOS QUANDO MINHA PROFESS ME ESCOLHEU PRA RECITAR EU APRENDI INDO PRO RIO E COLOCAVA UMA FLOR E FICAVA OLHANDO A CORRENTE LEVARORA E PENSANDO SE IA MESMO PRO MAr
Avatar do visitante

Daniel José Gregole · 28/01/2016, às 15h07

Dirce - 28/01/2016 Estudei esta Poesia nos anos 1958. Procurei por muito tempo e só agora encontrei. Maravilhosa! Fiquei emocionada ao me lembrar do meu primário na Escola Duque de Caxias em Juiz de Fora - MG.
Avatar do visitante

nataliciio serpa pinto · 07/02/2016, às 20h39

Sinto-me verazmente feliz ao ler os belos comentários, falando do da linda poesia de Vicente de Carvalho, A Fonte e a Flor.Essa linda poesia me encanta e faz parte de minha vida, quando lá no Rochedinho(Distrito de Campo Grande-Mato Grosso do Sul. Época em que estudei numa escola pública da zona rural. Isso aconteceu em 1951, quando tivemos a competente dedicada professora Sebastiana do Prado Espíndola. Pois é. agradeço o Google por oportunizar essa lembrança que adoça nossa alma. Já estou com 76 anos e, então repito com Vicente de Carvalho: "As correntezas da vida, resvala numa descida como a da Fonte e da Flor.Muito Obriado!
Avatar do visitante

Antonia Irani Soares Santana · 07/03/2016, às 20h53

simplesmente linda, essa poesia! Já apresentei com duas alunas minhas do 8º ano em 2010. Uma trajando um vestido vermelho e longo de cetim - a Flor- e a outra trajando um vestido azul também de cetim - a fonte- ficou maravilhosa. Enquanto eu narrava elas faziam os gestos. Jamais vou esquecer.
Avatar do visitante

Carmen Verônica Souza · 12/04/2016, às 11h17

Este poema é um dos meus preferidos. Sempre me emociono quando o leio. Sempre o leio em sala de aula, nos encontros com os amigos... É inesquecível !!!
Acabei de constatar que não era só eu que sofria ao ler esse lindo poema. Pensei que fosse uma boboca...
Avatar do visitante

Edmilson Rocha · 22/04/2016, às 23h05

Esta poesia é belíssima. Conheci em 1970 e só agora resgatei do google. Confesso que me emocionei ao voltar à minha infância, O livro didático da época, não lembro. Hoje estou com 58 anos e só lembrava: E a fonte sonora e fria Com um sussurro zombador Por sobre a areia corria Corria levando a flor. Abraços
Avatar do visitante

Lucio Almeida Pinto · 16/05/2016, às 19h34

Lembro do meu tempo de criança......Linda
Linda poesia,estou com 70anos e jamais a esqueci.
po gente,me senti novamente um moleque de dez anos!!!
Avatar do visitante

Celia Jacinto Arruda · 11/06/2016, às 15h21

Minha querida mãe Dna Percina (92 anos), declamava esta poesia há 56 anos quando eu tinha trabalho para fazer no grupo escolar e minha nota era 100 (cem) a máxima em 1964 no G.E. José Alves de Cerqueira César - Lago dos Patos Vila Galvão- GUARULHOS/SP. Fico feliz e emocionada no REGRESSO Á MINHA INFÂNCIA.
Avatar do visitante

Percina O, Jacinto · 12/06/2016, às 14h11

Celia Jacinto ArrudaPer, fico feliz pela lembrança. Um beijo fraterno da sua mãe Percina
Eu achei essa poesia muito bonito
MARAVILHOSA! DECLAMAVA ELA QUANDO CRIANÇA NAS FESTINHAS DA ESCOLA. NUNCA A ESQUECI. MARCOU MINHA INFÂNCIA TÍMIDA. MESMO TIMIDAMENTE EU A DECLAMAVA POR ACHÁ-LA LINDA DEMAIS.
Já estou na terceira idade mas me lembro como se fosse hoje na escola onde estudava no interior de Minas Gerais na Fazenda Santa Bárbara município de Buenópolis MG, havia livros de poemas onde li pela primeira vez este lindo poema que nunca mais esqueci. Eu me lembro quando eu recitava esta maravilha de poema na minha criancice ficava penalizado pela flor e eu chorava.
Avatar do visitante

Vilma S. Maia · 19/08/2016, às 10h08

Hoje, com 83 anos, lembro-me de quando meus filhos eram pequenos, um com nove anos e o outro com sete, para preencher os momentos de muitas dificuldades financeiras, eu gostava de inventar músicas e cantar e recitar para eles. Quando eu recitava " A fonte e a flor, descia lágrimas nos olhinhos deles, mas logo se sentiam bem, Há muito tempo tentei encontrá-la, mas como esse "Google" é maravilhoso, me entregou de mãos beijadas. Obrigada aos organizadores desse programa tão eficiente. Hoje sinto-me altamente gratificada ! enche minhas horas
Avatar do visitante

Dalva Freitas · 22/09/2016, às 11h51

Ai que delicia meu Deus, esse gugle é o maior tesouro que existe. chorei de felicidades , hoje depois de 60 anos eu encontro a poesia que marcou a minha vida. Eu tinha 8 anos, fazia o primário no Grupo Escolar Augusto de Lima na Av. Contorno em Belo Horizonte, minha professora D. Maria Augusta recitou essa poesia para nós em sala e depois deu-nos o nome do livro para comprarmos. eu nunca mais esqueci essa obra prima.Tenho-na na minha memória mas eu não sabia ela toda não. Fiquei tão feliz ao encontra-la no gugle. Obrigado aos dirigentes desta grande e imensa cadeia de tudo que procuramos está aqui. .Grande abraço. e obrigado e obrigado !!! Grande beijo em vossos corações! !!!!
Avatar do visitante

João Camilo · 11/10/2016, às 10h30

Puxa. Voltei ao ano de 1966. Grupo Escolar Cel. Joaquim Ribeiro, em Nepomuceno / MG. Minha tia Lálá era minha professora. Foi aí que aprendi a gostar do que é bom. Este poema é simplesmente inesquecível. Os comentários foram ótimos.
Essa leitura me transportou para os festivais de poesia dirigidos por minha amada tia Lúcia e apresentados por mim, minha irmã Luciana e minha prima Renata, quando éramos crianças. Doces lembranças de uma infância inocente e pura.
Avatar do visitante

Roseli Patzsch Liebl · 27/10/2016, às 13h47

Por anos, procurei o autor desta poesia. Meu pai a declamava para suas três filhas. Mais tarde, minha irmã estudou numa aula de português. Eu só lembrava-me do primeiro verso. Hoje pesquisando achei. Estou muito feliz!
Emocionei-me ao reencontrar esta linda poesia que preencheu o vazio de minha infância solitária e triste. Minha alma e meu coração sofriam com a ausência de meu pai, e eu aos dez anos, sentia-me levada pela correnteza da vida. Sem saber a quem recorrer encontrava na declamação de "A Fonte e a Flor" um consolo que me preenchia. Muito obrigada,Deus! Muito obrigada, Vicente de Carvalho!
Avatar do visitante

wanda rodrigues · 21/02/2017, às 16h42

AI QUE SAUDADE DOS TEMPOS DO COLÉGIO! ME IDENTIFICO MUITO COM ESTA POESIA. BELOS TEMPOS BELOS DIAS... WANDA RODRIGUES 21/02/2017 ÁS 16H40 UBA - MG
Conheci essa linda poesia com 9 anos, no primário em 1954. Nunca mais a esqueci. Atualmente não lembrava mais da poesia completa, por isso hoje pesquisei, pra traze-la de volta à minha memória cheia de lembranças!
Gente, alguém sabe o nome do livro de poesias doas anos 70? As mais belas poesias? onde encontro? tenho saudade demais.
Avatar do visitante

Robson Lemos Pires · 15/03/2017, às 09h41

São São lindas, são puras, são tantas, são plantas. São fontes de energia, amenizando este calor. Rimam com amor e dao sabor. Saboreiam nossa vida, cicatrizam nossas feridas, enfeitam a nossa partida. São nossas fantasias, nossas crias, e rimam com poesia. E são.
Avatar do visitante

gracia maria de siqueira · 16/04/2017, às 10h59

Lembrei-me hj, aos 54 anos no café da manhã, com meu namorado. Quem se lembrar do nome do livro, velhinho, páginas frágeis, amareladas...Eu tinha uns 12 anos, tinha uma coleção de vários livros de poesias, pois além de ler, gosto muiiito de estudar...Foi queimada no fogo pelas minhas irmãs pois eu só tirava nota 100(nota máxima) nas escolas, e isso para elas era o terror, pois eu era a queridinha de meus pais. eu estudei na E.M.(uma numeração) Medeiros e Albuquerque no Engenho.\novo-Zona Norte do RJ. O época boa.
Avatar do visitante

Edna SF Silvestre · 22/05/2017, às 16h04

Eu adoro esta poesia.Nos tempos de ginásio,entre outras, eu vivia declamando A FONTE E FLOR.
Avatar do visitante

José Paulo Pereira · 24/06/2017, às 14h04

José Paulo-24/06/-2017-12:56h.sábado. É com as mãos trêmulas de emoção, que inicio este comentário.Estou recordando 1968-2ª série primária, dez anos de idade.Na simples, humilde, mas, aconchegante Escola Combinada do Bocaiú - Silveirânia - MG. Minha linda professora Dona Íris Motta de Oliveira(23/10/1947) recitou esta poesia que me deixou emocionado.Ao chegar em casa, mostrei para minha Tia Mariquinha que leu e novamente eu chorei de dó da flor.Estava com vergonha de dizer isto nesta mensagem, achava que seria tachado de bobão.Mas, ao ler tantos comentários, percebi que muitas pessoas têm uma história de vida semelhante à minha.Foram 49 anos de espera para matar a saudade desta triste e linda poesia, que eu nem sabia qual era o autor. Obrigado, Vicente de Carvalho! Obrigado, google! Obrigado, vida, por estar sempre nos proporcionando surpresas...
Avatar do visitante

José Paulo Pereira · 24/06/2017, às 14h04

José Paulo-24/06/-2017-12:56h.sábado. É com as mãos trêmulas de emoção, que inicio este comentário.Estou recordando 1968-2ª série primária, dez anos de idade.Na simples, humilde, mas, aconchegante Escola Combinada do Bocaiú - Silveirânia - MG. Minha linda professora Dona Íris Motta de Oliveira(23/10/1947) recitou esta poesia que me deixou emocionado.Ao chegar em casa, mostrei para minha Tia Mariquinha que leu e novamente eu chorei de dó da flor.Estava com vergonha de dizer isto nesta mensagem, achava que seria tachado de bobão.Mas, ao ler tantos comentários, percebi que muitas pessoas têm uma história de vida semelhante à minha.Foram 49 anos de espera para matar a saudade desta triste e linda poesia, que eu nem sabia qual era o autor. Obrigado, Vicente de Carvalho! Obrigado, google! Obrigado, vida, por estar sempre nos proporcionando surpresas...
Avatar do visitante

Hélio Batista da Silva · 23/08/2017, às 17h50

Era minha paixão, ler e declamar esse lindo poema encontrado em livros didáticos da minha época.
Avatar do visitante

Carmen Luiza Moura · 06/09/2017, às 13h20

Olá, pessoal, conforme prometi aqui a todos que gostam desse poema como eu, aqui está o vídeo que fiz. https://youtu.be/nbuQo_hGGj4

Avatar do visitante

Arioli Sabidussi · 26/09/2017, às 17h32

O ano não lembro, mas foi nos primeiros anos da década de 1970. Li, e nunca mais esqueci. Ficaram-e alguns fragmentos vivos em minha memória. Muitas vezes procurei por este 'Livro: Admissão ao Ginásio'...para encontrar esta poesia. Uma beleza

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil