INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A CANÇÃO DE MARIA
A ESTRELA
A LUA
A MORTE ABSOLUTA
A MORTE DE PÃ
A NINFA
A ROSA
À SOMBRA DAS ARAUCÁRIAS
A VIDA ASSIM NOS AFEIÇOA
ADEUS, AMOR
ÁGUA-FORTE
ALUMBRAMENTO
ANDORINHA
ANTOLOGIA
AO CREPÚSCULO
ARTE DE AMAR
AS TRÊS MARIAS
AUTO-RETRATO
BALADA DAS TRÊS MULHERES DO SABONETE ARAXÁ
BELO BELO
BELO BELO [2]
BODA ESPIRITUAL
CANÇÃO
CANÇÃO DO VENTO E DA MINHA VIDA
CANÇÃO PARA A MINHA MORTE
CANTIGA
CANTIGA DE AMOR
CANTO DE NATAL
CARTAS DE MEU AVÔ
CASA GRANDE & SENZALA
CÉU
CONFIDÊNCIA
CONTRIÇÃO
CREPÚSCULO DE OUTONO
DELÍRIO
DENTRO DA NOITE
DESALENTO
DESENCANTO
ELEGIA PARA MINHA MÃE
EMBALO
ENQUANTO A CHUVA CAI...
ENQUANTO MORREM AS ROSAS
ENTREVISTA
EPÍGRAFE
EPÍLOGO
ESTRELA DA MANHÃ
EU VI UMA ROSA
FLORES MURCHAS
HIATO
I — RONDÓ DE EFEITO
II — COLÓQUIO SENTIMENTAL
IMPROVISO [1]
INFÂNCIA
INGÊNUO ENLEIO
INSCRIÇÃO
IRENE NO CÉU
MADRIGAL
MADRIGAL MUITO FÁCIL
MADRUGADA
MAÍSA
MANUEL BANDEIRA
MASCARADA
MINHA GRANDE TERNURA
MINHA TERRA
MOMENTO NUM CAFÉ
MOTE E GLOSAS
MULHERES
NAMORADOS
NATAL
NEOLOGISMO
NOVA POÉTICA
NU
O ANEL DE VIDRO
O ANJO DA GUARDA
O BEIJO
O BICHO
O CRUCIFIXO
O EXEMPLO DAS ROSAS
O IMPOSSÍVEL CARINHO
O INÚTIL LUAR
O LUTADOR
O MARTELO
O RIO
O SUAVE MILAGRE
O ÚLTIMO POEMA
OCEANO
ORAÇÃO A NOSSA SENHORA DA BOA MORTE
ORAÇÃO A TERESINHA DO MENINO JESUS
OS SAPOS
OUTRA TROVA
PAISAGEM NOTURNA
PALINÓDIA
PARDALZINHO
PEREGRINAÇÃO [1]
PISCINA
PLENITUDE
PNEUMOTÓRAX
POEMA DE FINADOS
POEMA DESENTRANHADO DE UMA PROSA DE AUGUSTO FREDERICO SCHMIDT
POEMA DO BECO
POEMA DO MAIS TRISTE MAIO
POEMETO ERÓTICO
POÉTICA
PORQUINHO-DA-ÍNDIA
PORTUGAL MEU AVOZINHO
POUSA A MÃO NA MINHA TESTA
PREPARAÇÃO PARA A MORTE
PRESEPE
PRIMEIRA CANÇÃO DO BECO
PROFUNDAMENTE
PROGRAMA PARA DEPOIS DE MINHA MORTE
RECIFE
RIMANCETE
RONDÓ DOS CAVALINHOS
SACHA E O POETA
SEGUNDA CANÇÃO DO BECO
TEMAS E VOLTAS
TERESA
TERNURA
TESTAMENTO
TEU NOME
THIAGO DE MELLO
TOADA
TREM DE FERRO
TRÊS IDADES
TRÊS LETRAS PARA MELODIAS DE VILLA-LOBOS
TROVA
TU QUE ME DESTE O TEU CUIDADO...
UBIQÜIDADE
ÚLTIMA CANÇÃO DO BECO
UNIDADE
VELHA CHÁCARA
VERSOS DE NATAL
VERSOS ESCRITOS N'ÁGUA
VITA NUOVA
VOLTA
VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA
 
:: SONETOS ::
 
À MANEIRA DE... OLEGÁRIO MARIANO
A MINHA IRMÃ
IMPROVISO [3]
IRMÃ
MAL SEM MUDANÇA
O PALACETE DOS AMORES
PEREGRINAÇÃO [2]
RENÚNCIA
SONETO INGLÊS N.º 1
SONETO INGLÊS N.º 2
SONETO ITALIANO
SONETO PLAGIADO DE AUGUSTO FREDERICO SCHMIDT
SONETO SONHADO
SONHO BRANCO
UM SORRISO
VARIAÇÕES SÉRIAS EM FORMA DE SONETO
VONTADE DE MORRER
INSCRIÇÃO

Aqui, sob esta pedra, onde o orvalho roreja,
Repousa, embalsamado em óleos vegetais,
O alvo corpo de quem, como uma ave que adeja,
Dançava, descuidosa, e hoje não dança mais...

Quem não a viu é bem provável que não veja
Outro conjunto igual de partes naturais.
Os véus tinham-lhe ciúme. Outras, tinham-lhe inveja.
E ao fitá-la os varões tinham pasmos sensuais.

A morte a surpreendeu um dia que sonhava,
Ao pôr do sol, desceu entre sombras fiéis
À terra, sobre a qual tão de leve pesava...

Eram as suas mãos mais lindas sem anéis...
Tinha os olhos azuis... Era loura e dançava...
Seu destino foi curto e bom...
— Não a choreis.

© MANUEL BANDEIRA
In A cinza das horas, 1917

Número de visualizações em 2017: 283
Número de curtidas: 56
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários

Não há comentários postados até o momento. Seja o primeiro!

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil