INÍCIO | POESIAS | POETAS | MÚSICOS | RÁDIO | VÍDEOS | LIVROS | RECENTES | CARTÕES | E-BOOKS | MURAL | FÓRUM | BLOGS | AGENDA | INSCRIÇÃO | CONTATO
 
 
VOLTAR
 
NOTÍCIAS SOBRE O POETA
 
RÁDIO DO POETA
 
:: POESIAS ::
 
A ALVORADA DO AMOR
A AVENIDA DAS LÁGRIMAS
A CANÇÃO DE ROMEU
A CILADA
A GONÇALVES DIAS
A IARA
A MISSÃO DE PUMA
A MONTANHA
A MORTE DE ORFEU
A MORTE DE TAPIR
A RAINHA DE SABÁ
A RONDA NOTURNA
A SESTA DE NERO
A TENTAÇÃO DE XENÓCRATES
A UM GRANDE HOMEM
A UM POETA
A UM TRISTE
A UM VIOLINISTA
A VELHICE DE ASPÁSIA
A VOZ DO AMOR
ABISAG
ABSTRAÇÃO
ABYSSUS
ANCHIETA
AOS MEUS AMIGOS DE SÃO PAULO
AS ÁRVORES
AS ESTRELAS
AS NUVENS
AS ONDAS
AS VIAGENS I [PRIMEIRA MIGRAÇÃO]
AS VIAGENS II [OS FENÍCIOS]
AS VIAGENS III [ISRAEL]
AS VIAGENS IV [ALEXANDRE]
AS VIAGENS IX [O BRASIL]
AS VIAGENS V [CÉSAR]
AS VIAGENS VI [OS BÁRBAROS]
AS VIAGENS VII [AS CRUZADAS]
AS VIAGENS VIII [AS ÍNDIAS]
AS VIAGENS X [O VOADOR]
AS VIAGENS XI [O PÓLO]
AS VIAGENS XII [A MORTE]
ASSOMBRAÇÃO
AVATARA
BALADAS ROMÂNTICAS
BEETHOVEN SURDO
BEIJO ETERNO
BENEDICITE!
CAMPO-SANTO
CANÇÃO
CANTILENA
CAOS
CICLO
CLEÓPATRA
CONSOLAÇÃO
CREPÚSCULO NA MATA
CRIAÇÃO
DANTE NO PARAÍSO
DE VOLTA DO BAILE
DEFESA
DELENDA CARTAGO!
DENTRO DA NOITE
DESTERRO
DIÁLOGO
DIAMANTE NEGRO
DIZIAM QUE...
DORMINDO
DUALISMO
EDIPO
ESTÂNCIAS
ESTUÁRIO
EUTANÁSIA
FOGO-FÁTUO
FRUTIDORO
GIOCONDA
GUERREIRA
HINO À TARDE
IDA
IN EXTREMIS
INANIA VERBA
INCONTENTADO
INOCÊNCIA
INTROIBO!
LENDO A ILÍADA
LÍNGUA PORTUGUESA
MADALENA
MALDIÇÃO
MANHÃ DE VERÃO
MARCHA FÚNEBRE
MARINHA
MATER
MATERNIDADE
MEDALHA ANTIGA
MESSALINA
MESSÍDORO
MICROCOSMO
MIDSUMMER'S NIGHT'S DREAM
MIGUEL ÂNGELO VELHO
MILAGRE
MILAGRE
MILTON CEGO
MÚSICA BRASILEIRA
NA TEBAIDA
NATAL
NEL MEZZO DEL CAMIN...
NEW YORK
NO CÁRCERE
NO LIMIAR DA MORTE
NO TRONCO DE GOA
NOITE DE INVERNO
NOTURNO
NUMA CONCHA
O CAÇADOR DE ESMERALDAS
O CAVALEIRO POBRE
O COMETA
O CREPÚSCULO DA BELEZA
O CREPÚSCULO DOS DEUSES
O INCÊNDIO DE ROMA
O JULGAMENTO DE FRINÉIA
O OITAVO PECADO
O SONHO DE MARCO ANTÔNIO
O TEAR
O VALE
OLHANDO A CORRENTE
ORAÇÃO A CIBELE
OS AMORES DA ABELHA
OS AMORES DA ARANHA
OS RIOS
OS SINOS
PALAVRAS
PALMEIRA IMPERIAL
PANTUM
PARA A RAINHA DONA AMÉLIA DE PORTUGAL
PARÁFRASE DE BAUDELAIRE
PÁTRIA
PECADOR
PENETRÁLIA
PERFEIÇÃO
PESADELO
POMBA E CHACAL
PRECE
PRIMAVERA
PROFISSÃO DE FÉ
QUARENTA ANOS
REI DESTRONADO
REMORSO
REQUIESCAT
RESPOSTAS NA SOMBRA
RESSURREIÇÃO
RIO ABAIXO
RIOS E PÂNTANOS
ROMEU E JULIETA
RUTH
SACRILÉGIO
SAGRES
SAHARA VITAE
SALUTARIS PORTA
SAMARITANA
SATÂNIA
SEMPER IMPENDENT...
SINFONIA
SOBRE AS BODAS DE UM SEXAGENÁRIO
SOLITUDO
SONATA AO CREPÚSCULO
SONHO
SONHO
SPERATE, CREPERI!
SÚPLICA
SURDINA
TÉDIO
TENHO FRIO E ARDO EM FEBRE!
TERCETOS
TRILOGIA
ÚLTIMA PÁGINA
ÚLTIMO CARNAVAL
UM BEIJO
UM TRECHO DE TH. GAUTIER
VANITAS
VELHA PÁGINA
VELHAS ÁRVORES
VESTÍGIOS
VIA-LÁCTEA SONETO I
VIA-LÁCTEA SONETO II
VIA-LÁCTEA SONETO III
VIA-LÁCTEA SONETO IV
VIA-LÁCTEA SONETO VI
VIA-LÁCTEA SONETO IX
VIA-LÁCTEA SONETO V
VIA-LÁCTEA SONETO VII
VIA-LÁCTEA SONETO VIII
VIA-LÁCTEA SONETO X
VIA-LÁCTEA SONETO XI
VIA-LÁCTEA SONETO XII
VIA-LÁCTEA SONETO XIII
VIA-LÁCTEA SONETO XIV
VIA-LÁCTEA SONETO XIX
VIA-LÁCTEA SONETO XV
VIA-LÁCTEA SONETO XVI
VIA-LÁCTEA SONETO XVII
VIA-LÁCTEA SONETO XVIII
VIA-LÁCTEA SONETO XX
VIA-LÁCTEA SONETO XXI
VIA-LÁCTEA SONETO XXII
VIA-LÁCTEA SONETO XXIII
VIA-LÁCTEA SONETO XXIV
VIA-LÁCTEA SONETO XXIX
VIA-LÁCTEA SONETO XXV
VIA-LÁCTEA SONETO XXVI
VIA-LÁCTEA SONETO XXVII
VIA-LÁCTEA SONETO XXVIII
VIA-LÁCTEA SONETO XXX
VIA-LÁCTEA SONETO XXXI
VIA-LÁCTEA SONETO XXXII
VIA-LÁCTEA SONETO XXXIII
VIA-LÁCTEA SONETO XXXIV
VIA-LÁCTEA SONETO XXXV
VILA RICA
VILFREDO
VINHA DE NABOT
VIRGENS MORTAS
VITA NUOVA
VULNERANT OMNES, ULTIMA NECAT
 
:: SONETOS ::
 
EM UMA TARDE DE OUTONO
 
:: POESIAS INFANTIS ::
 
A AVÓ
A BONECA
A BORBOLETA
A CASA
A CORAGEM
A INFÂNCIA
A MADRUGADA
A MOCIDADE
A PÁTRIA
A RÃ E O TESOURO
A VELHICE
A VIDA
ANO BOM
AS ESTAÇÕES
AS ESTRELAS
AS FLORES
AS FORMIGAS
AS VELHAS ÁRVORES
AVE MARIA
DEUS
DOMINGO
HINO À BANDEIRA NACIONAL
JUSTIÇA
MEIA NOITE
MEIO-DIA
MODÉSTIA
NATAL
O AVÔ
O BOI
O CREDO
O LEÃO E O CAMUNDONGO
O LOBO E O CÃO
O PÁSSARO CATIVO
O REMÉDIO
O RIO
O SOL
O SOLDADO E A TROMBETA
O TEMPO
O TRABALHO
O UNIVERSO
OS MESES
OS POBRES
OS REIS MAGOS
PLUTÃO
A MISSÃO DE PUMA

(Do Evangelho de Buda.)

.............................................................
Ora Buda, que, em prol da nova fé, levanta
Na Índia antiga o clamor de uma cruzada santa
Contra a religião dos brâmanes, — medita.

Imensa, em torno ao sábio, a multidão se agita:
E há nessa multidão, que enche a planície vasta,
Homens de toda a espécie, árias de toda a casta.

Todos os que (a princípio, enchia Brahma o espaço)
Da cabeça, do pé, da coxa ou do antebraço
Do deus vieram à luz para povoar a terra:
— Xátrias, de braço forte armado para a guerra;
Saquias, filhos de reis; leprosos perseguidos
Como cães, como cães de lar em lar corridos;
Os que vivem no mal e os que amam a virtude;
Os ricos de beleza e os pobres de saúde;
Mulheres fortes, mães ou prostitutas, cheio
De tentações o olhar ou de alvo leite o seio;
Guardadores de bois; robustos lavradores,
A cujo arado a terra abre em frutos e flores;
Crianças; anciãos; sacerdotes de Brahma;
Párias, sudras servis rastejando na lama;

— Todos acham amor dentro da alma de Buda,
E tudo nesse amor se eterniza e transmuda.
Porque o sábio, envolvendo a tudo, em seu caminho
Na mesma caridade e no mesmo carinho,
Sem distinção promete a toda a raça humana
A bem-aventurança eterna do Nirvana.

Ora, Buda medita.
À maneira do orvalho,
Que, na calma da noite, anda de galho em galho
Dando vida e umidade às árvores crestadas,
— Aos corações sem fé e às almas desgraçadas
Concede o novo credo a esperança do sono:
Mas... as almas que estão, no horrível abandono
Dos desertos, de par com os animais ferozes,
Longe de humano olhar, longe de humanas vozes,
A rolar, a rolar de pecado em pecado?.

Ergue-se Buda:
"Puma!"
O discípulo amado
Chega:
"Puma! é mister que a palavra divina
Da água do mar de Omã à água do mar da China,
Longe do Indus natal e das margens do Ganges,
Semeies, através de dardos, e de alfanjes,
E de torturas!"

Puma ouve sorrindo, e cala.
No silêncio em que está, um sonho doce o embala.
No profundo clarão do seu olhar profundo
Brilham a ânsia da morte e o desprezo do mundo.
O corpo, que O rigor das privações consome,
Esquelético, nu, comido pela fome,
Treme, quase a cair como um bambu com o vento;
E erra-lhe à flor da boca a luz do firmamento
Presa a um sorriso de anjo.

E ajoelha junto ao Santo:
Beija-lhe o pó dos pés, beija-lhe o pó do manto.

"Filho amado! — diz Buda — essas bárbaras gentes
São grosseiras e vis, são rudes e inclementes;
Se os homens (que, em geral, são maus os homens todos)
Te insultarem a crença, e a cobrirem de apodos,
Que dirás, que farás contra essa gente inculta?"

"Mestre! direi que é boa a gente que me insulta,
Pois, podendo ferir-me, apenas me injuria..."

"Filho amado! e se a injúria abandonando, um dia
Um homem te espancar, vendo-te fraco e inerme,
E sem piedade aos pés te pisar, como a um verme?"

"Mestre! direi que é bom o homem que me magoa,
Pois, podendo ferir-me, apenas me esbordoa..."

"Filho amado! e se alguém, vendo-te agonizante,
Te furar com um punhal a carne palpitante?"

"Mestre! direi que é bom quem minha carne fura,
Pois, podendo matar-me, apenas me tortura..."

"Filho amado! e se, enfim, sedentos de mais sangue,
Te arrancarem ao corpo enfraquecido e exangue
O último alento, o sopro último da existência,
Que dirás, ao morrer, contra tanta inclemência?"
"Mestre! direi que é bom quem me livra da vida.
Mestre! direi que adoro a mão boa e querida,
Que, com tão pouca dor, minha carne cansada
Entrega ao sumo bem e à suma paz do Nada!"

"Filho amado! — diz Buda — a palavra divina,
Da água do mar de Omã à água do mar da China,
Longe do Indus natal e dos vales do Ganges,
Vai levar, através de dardos e de alfanjes!
Puma! ao fim da Renúncia e ao fim da Caridade
Chegaste, estrangulando a tua humanidade!
Tu, sim! podes partir, apóstolo perfeito,
Que o Nirvana já tens dentro do próprio peito,
E és digno de ir pregar a toda raça humana
A bem-aventurança eterna do Nirvana!"

© OLAVO BILAC
In Poesias (As Viagens), 1888

Número de visualizações em 2017: 360
Número de curtidas: 25
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (2)

Avatar do visitante

José Rodrigues Filho · 14/02/2016, às 12h14

Estupendo Poema!
Avatar do visitante

Eline Elaine silv · 13/09/2017, às 20h40

Ler e declamar Olavo Bilac e como amar. É carregar um fardo no peito infinito ,cujo peito sufoca e faz descansar.

Postar um novo comentário

CADASTRAR-SE NO QUADRO DE AVISOS | POR ONDE A VOZ ECOA | ÁREA ADMINISTRATIVA DOS POETAS | ENVIAR AVISO (SOMENTE ADMINISTRADORES)
FacebookOrkutTwitterGPlusYoutubeMyspaceDhittPaltalkRSS
 
Copyright 2001 - 2013 - A Voz da Poesia Falando ao Coração - Design GamaBrasil