PALAVRAS

As palavras do amor expiram como os versos,
Com que adoço a amargura e embalo o pensamento:
Vagos clarões, vapor de perfumes dispersos,
Vidas que não têm vida, existências que invento;

Esplendor cedo morto, ânsia breve, universos
De pó, que um sopro espalha ao torvelim do vento,
Raios de sol, no oceano entre as águas imersos,
— As palavras da fé vivem num só momento...

Mas as palavras más, as do ódio e do despeito,
O "não!" que desengana, o "nunca!" que alucina,
E as do aleive, em baldões, e as da mofa, em risadas,

Abrasam-nos o ouvido e entram-nos pelo peito:
Ficam no coração, numa inércia assassina,
Imóveis e imortais, como pedras geladas.

© OLAVO BILAC
In Tarde, 1919

Número de visualizações em 2017: 1870
Número de curtidas: 94
 
Compartilhar via Facebook Compartilhar via Twitter Compartilhar via Google+

Comentários (1)

que lindo, nossa, tocou meu corazao

Postar um novo comentário